Quinta-feira, 24 de Junho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fair

Tecnologia Golpe no WhatsApp usa nomes de membros do Ministério Público para roubar dinheiro

Compartilhe esta notícia:

As mensagens fraudulentas contêm links para malwares que possibilitam captura de dados do usuário ou outras ações maliciosas. (Foto: Reprodução)

O MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) divulgou um comunicado na última quinta-feira (13) para alertar sobre golpes realizados por meio do WhatsApp ou de e-mail que fazem o uso de nomes de promotores e procuradores. As mensagens fraudulentas contêm links para malwares que possibilitam captura de dados do usuário ou outras ações maliciosas.

O CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), por meio da Comissão de Preservação da Autonomia do Ministério Público, também instaurou um procedimento para investigar esse tipo de prática, que se configura como crime de estelionato ou falsidade ideológica.

“E-mails com a logomarca e o nome do Ministério Público Federal estão sendo encaminhados a cidadãos intimando-os para comparecimento em audiências. A mensagem contém um link que, quando clicado, permite ao golpista obter informações do computador da vítima”, diz o MPDFT.

De acordo com informações prestadas ao CNMP por ramos e unidades do Ministério Público, “integrantes de uma quadrilha utilizando o aplicativo de mensagens WhatsApp identificam-se como promotores de Justiça e solicitam vantagens, como depósitos bancários e apoio de motorista e veículo durante deslocamento àquelas localidades. Ocorrências dessa natureza estão sendo investigadas em Minas Gerais”, informa o CNMP.

Há também relatos de que a logomarca e o nome do Ministério Público Federal estão sendo utilizados para a prática de um golpe, na internet, denominado phishing. Nesse caso, e-mails são encaminhados a cidadãos com a informação que o destinatário está sendo intimado para comparecimento em audiências. A mensagem contém um link que, quando clicado, permite ao golpista obter informações do computador da vítima.

A Comissão de Preservação da Autonomia do Ministério Público alerta que os membros do Ministério Público não são autorizados a requisitar automóveis de instituições municipais, que têm sido os principais alvos desses golpes. Outro esclarecimento é o de que o Ministério Público não faz intimações por e-mail.

Se algum representante ministerial entrar em contato diretamente com algum cidadão, servidores ou autoridades é recomendável a conferência dos dados pessoais e dos números de telefones utilizados junto às respectivas promotorias de justiça, mediante a consulta direta no site do Ministério Público da União ou do respectivo ramo citado. As informações são do MPDFT e do CNMP.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Tecnologia

Acesso ao WhatsApp será limitado caso o usuário não aceitar os novos termos de uso
Nova regra do WhatsApp vale a partir deste sábado; entenda os termos de privacidade
Deixe seu comentário
Pode te interessar