Terça-feira, 21 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Economia Mercado financeiro passa a prever alta do PIB brasileiro maior do que 4% neste ano e aumenta a estimativa de inflação

Compartilhe esta notícia:

Expectativa de crescimento do PIB deste ano passou de 3,96% para 4,36%

Foto: Reprodução
Recuperação da economia perde fôlego, após avanço de 1,2% no 1º trimestre. (Foto: Reprodução)

Os economistas do mercado financeiro passaram a estimar um crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) acima de 4% para este ano, ao mesmo tempo em que elevaram ainda mais a projeção de inflação para este ano. As previsões do mercado constam no relatório Focus, divulgado nesta segunda-feira (07) pelo BC (Banco Central).

Produto Interno Bruto

No caso do Produto Interno Bruto de 2021, os economistas do mercado financeiro subiram a estimativa para alta de 3,96% para 4,36%. Foi a sétima alta seguida do indicador. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no País e serve para medir a evolução da economia.

Para 2022, o mercado subiu a previsão de alta do PIB de 2,25% para 2,31%. A expectativa para o nível de atividade foi feita em meio à pandemia da Covid-19, que derrubou a economia mundial em 2020 e continua sendo um fator de desgaste em 2021. Entretanto, a economia tem mostrado reação nos últimos meses.

Inflação

Para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), a inflação oficial do País, a expectativa do mercado para este ano subiu de 5,31% para 5,44%. Segundo o BC, essa foi a nona semana seguida de alta na expectativa.

O centro da meta de inflação, em 2020, é de 3,75%. Pelo sistema vigente no país, será considerada cumprida se ficar entre 2,25% e 5,25%. Com isso, a projeção do mercado fica cada vez mais acima do teto do sistema de metas.

A meta de inflação é fixada pelo CMN (Conselho Monetário Nacional). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia. Em 2020, pressionado pelos preços dos alimentos, o IPCA ficou em 4,52%, acima do centro da meta para o ano, que era de 4%, mas dentro do intervalo de tolerância. Foi a maior inflação anual desde 2016.

Para 2022, o mercado financeiro elevou de 3,68% para 3,70% a estimativa de inflação. No ano que vem, a meta central de inflação é de 3,50% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar de 2% a 5%.

Taxa básica de juros

O mercado financeiro manteve em 5,75% ao ano a previsão para a Selic no fim de 2021. Com isso, os analistas seguem estimando novas altas dos juros em 2021. Em março, na primeira elevação em quase seis anos, a taxa básica da economia foi aumentada pelo BC para 2,75% ao ano. E, na semana passada, o Copom (Comitê de Política Monetária) elevou o juro para 3,5% ao ano.

Para o fim de 2022, os economistas do mercado financeiro mantiveram a expectativa para a taxa Selic em 6,50% ao ano, o que pressupõe que a taxa de juro básico continuará subindo no próximo ano.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Pelo menos 19 mil clientes permanecem sem luz em função do temporal do fim de semana no Rio Grande do Sul
Rio Grande do Sul recebe lote com 146 mil doses da vacina da Pfizer/BioNTech nesta terça-feira
Deixe seu comentário
Pode te interessar