Quinta-feira, 13 de Maio de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
14°
Fair

Política O governo federal confronta o Supremo e procura esvaziar CPI da covid

Compartilhe esta notícia:

Ordem do ministro Luís Roberto Barroso para o Senado instalar a CPI da covid deixa o presidente exposto. (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Os projetos políticos do presidente Jair Bolsonaro sofreram um abalo com a iminente instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) destinada a apurar a atuação do governo na pandemia da covid-19. A ordem do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), para o Senado instalar o colegiado rompeu a blindagem do mandatário, que tem aliados à frente das duas Casas do Congresso e conta com o apoio do Centrão, bloco partidário que detém postos importantes no Executivo. Com a popularidade em queda e ante o risco de desgastes com as investigações da CPI, o presidente, talvez, precise pagar uma fatura ainda maior para manter essa sustentação, com mudanças em mais ministérios e a concessão de outras contrapartidas.

Bolsonaro tem colhido os frutos da opção que fez de politizar as discussões sobre a pandemia, confrontando governadores, prefeitos e a comunidade científica. O presidente vem colecionando uma série de derrotas políticas e judiciais, por tentar sobrepor suas posições pessoais ao dever de liderar um esforço nacional para o país vencer a crise. Ao atacar e desafiar Barroso, o presidente deixou transparecer que sentiu o golpe da ordem judicial — e, de “bônus”, aumentou o fosso entre o Palácio do Planalto e o STF, além de conquistar a antipatia de vastos setores do Judiciário, como verbalizou a Associação dos Juízes Federais (Ajufe) em nota.

A decisão do ministro foi tomada no momento em que o presidente esperava colher os frutos da recente reforma em seis ministérios. Entre outras mudanças, ela levou o Centrão a despachar nos gabinetes vizinhos ao seu, com a nomeação da deputada Flávia Arruda (PL-DF) como chefe da Secretaria de Governo.

Mesmo após a posse da ministra, porém, a avaliação dentro do Centrão, conforme parlamentares ouvidos pelo Correio, é de que, com o enfraquecimento político do governo e o aprofundamento da crise, o presidente terá que fazer mais concessões se quiser manter o apoio no Congresso e formar alianças para disputar a reeleição em 2022. Agora, com o fantasma da CPI batendo à porta, essa barganha deverá ser ainda mais dura.

Um dia depois da ordem de Barroso para o Senado instalar a comissão de inquérito, o Centrão já deu demonstrações de que pode ajudar Bolsonaro em mais um momento difícil. O senador Ciro Nogueira (PI), presidente do Progressistas, passou a fazer pressões para que a investigação parlamentar não se atenha só à atuação federal na pandemia, mas também alcance governadores e prefeitos. É o mesmo discurso de Bolsonaro, que defende que a CPI investigue gestores locais suspeitos de desviar recursos da saúde.

Além da CPI, um outro componente que deve dar mais cacife político ao Centrão — um bloco formado por legendas como Progressistas, PL, PSD, PTB, PROS, PSC, Avante e Patriota — é o assédio de virtuais adversários de Bolsonaro na corrida presidencial do ano que vem. O PSD do ex-ministro Gilberto Kassab, por exemplo, é um dos alvos preferenciais do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Lista de desejos

Tendo o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), como um de seus principais líderes, o Centrão mira posições de peso na administração federal. Estão no alvo, por exemplo, os comandos dos ministérios do Turismo, de Minas e Energia, da Educação e possíveis desmembramentos nas superpastas da Economia e da Infraestrutura, chefiadas, respectivamente, por Paulo Guedes e Tarcísio de Freitas. Há também uma articulação do bloco pela criação do Ministério da Integração Nacional.

Para o cientista político Rodrigo Prando, da Universidade Presbiteriana Mackenzie, o apetite do Centrão aumenta a cada dia com Bolsonaro acuado e em seu pior momento. “O Centrão começou a cobrar a demissão do Ernesto (Araújo, ex-chanceler) e ele foi demitido. Conseguiu colocar uma deputada de primeiro mandato para despachar seus interesses. Com a possibilidade de uma CPI, o preço político do Centrão fica maior. Quanto mais ganha, mais quer”, observa.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Após ser chamado de patife por Bolsonaro, o governador paulista pede calma ao presidente
Plenário do Supremo deve promover modulação sobre CPI da Covid, diz líder do governo
Deixe seu comentário
Pode te interessar