Terça-feira, 26 de Maio de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Partly Cloudy / Wind

Política “O governo vai bem porque dá sequência ao que eu fiz”, diz Temer

Compartilhe esta notícia:

Temer (foto) afirma ser contrário a bandeiras de seu sucessor, como o excludente de ilicitude

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Temer está atualmente preso na Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro. (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

Oito meses depois de ser preso na rua por policiais, o ex-presidente Michel Temer mantém uma rotina discreta. Afastado das articulações políticas, hoje ele se dedica a fazer palestras e a escrever um romance de ficção inspirado em sua própria história.

O emedebista diz que o governo Jair Bolsonaro “vai indo bem” porque dá sequência ao que ele fez, mas afirma ser contrário a bandeiras de seu sucessor, como o excludente de ilicitude.

Ao falar sobre política, Temer avalia que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deveria ter buscado a pacificação ao sair da cadeia e descarta a “rotulação” dos políticos entre direita, esquerda e centro. “Essa coisa de esquerda e direita ninguém dá mais importância. Mesmo o centro”, disse. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Governo Bolsonaro

“O governo vai indo bem porque está dando sequência ao que fiz. Peguei uma estrada esburacada. O PIB [Produto Interno Bruto] estava negativo 4%. Um ano e sete meses [depois] o PIB estava positivo 1.1%, além da queda da inflação e da recuperação das estatais. Entreguei uma estrada asfaltada. O governo Bolsonaro, diferente do que é comum em outros governos que invalidam anterior, deu sequência. Bolsonaro está dando sequência ao que eu fiz”, disse Temer.

“Cada um tem o seu estilo. Ele tem o estilo do confronto, que é oposto ao meu, de conciliação. Fui falar em Oxford, Madrid e Salamanca e pude avaliar uma certa preocupação com isso. Mas a preocupação central é com a segurança jurídica. As pessoas querem ter certeza que se investirem aqui não terão surpresas. O presidente Bolsonaro diz uma determinada coisa, mas sua ação é diversa. Quando ele me visitou logo após a eleição, me pediu modestamente para dar conselhos. Eu disse que não daria conselhos para quem foi eleito com quase 60 milhões de votos, mas disse que daria palpites. Disse que a relação com China é importantíssima. Não podemos ser unilateralistas. E verifiquei que, tempos depois, ele foi à China”, afirmou.

Prisão após segunda instância

“O Supremo decidiu corretamente do ponto de vista jurídico. Hoje há muito populismo nas questões de natureza jurídica. Nesse episódio da 2° instância a Constituição diz muito claramente que só será considerado culpado aquele que tiver a sentença condenatória transitada em julgado”, destacou ainda Temer.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Esquerda planeja reforçar atos contra Bolsonaro em 2020
“Temos de preparar a opinião pública”, diz Bolsonaro sobre o fundo eleitoral
Deixe seu comentário
Pode te interessar