Segunda-feira, 21 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
10°
Fair

Brasil Pacientes do Rio de Janeiro não conseguem vaga em UTI nem mesmo com decisão judicial

Compartilhe esta notícia:

Segundo a Defensoria Pública, só no mês de maio, foram 19 casos em que a ordem judicial não foi cumprida. (Foto: Divulgação/Agência Pará)

Mesmo depois de recorrerem à Justiça, familiares de pacientes com Covid-19 não conseguem internação em leitos de UTI em hospitais públicos do Rio de Janeiro. Segundo levantamento feito pela Defensoria Pública, somente no mês de maio, 19 casos não tiveram ordem judicial cumprida.

Nesta segunda-feira (1º), a taxa de ocupação dos leitos de UTI nos hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) na cidade do Rio era de 90%, com 1.860 pacientes internados em leitos exclusivos para tratamento do coronavírus, sendo 694 em UTIs.

Ainda no município do Rio, 53 pessoas esperavam por leitos de Covid-19, sendo 44 delas por leitos de UTI.

Em balanço publicado pela Defensoria, foram registrados 102 processos no mês de maio para garantir transferência de pacientes e internações, uma média de 3 pedidos por dia. Segundo a defensora pública Michele Leite, do dia 23 de março a 30 de maio, foram movidas 178 ações para conseguir essas transferências.

“Desse total, pelo menos 30 familiares retornaram ao atendimento no plantão judiciário informando à Defensoria que as decisões judiciais não estavam sendo cumpridas”, conta Michele.

A Defensoria Pública disponibilizou seguintes canais de telefone para atendimentos urgentes, de 18h às 11h. A chamada gratuita pode ser feita para o número 129 ou pelo WhatsApp, no número (21) 99753-4066.

Coronavírus no Rio

A Secretaria de Estado de Saúde atualizou nesta segunda os dados do novo coronavírus no Rio. Os principais números são:

– 5.462 mortes – eram 5.344 no domingo (+2,2%);

– 54.530 casos confirmados – 53.388 (+2,1%);

– Foram 118 mortes e 1.142 casos confirmados em 24 horas;

– 40.335 pacientes recuperados – eram 38.735 (+4,1%).

A Secretaria de Saúde esclarece que os casos e óbitos registrados no boletim não ocorreram nas últimas 24 horas – essa é a data de registro no sistema.

Lockdown em Niterói

O lockdown adotado em Niterói, na Região Metropolitana do Rio, evitou quase 1.500 mortes. É o que diz um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

A medida de fechamento total começou no dia 11 de maio. Na semana passada, a flexibilização gradual foi iniciada.

No período do estudo, 127 mortes foram registradas. O número de casos evitados de Covid-19 na cidade também foi significativo: dos 12 mil esperados, mais de 11,5 mil não aconteceram.

A cidade está adotando a flexibilização das medidas de isolamento social, mas o comércio não essencial continua fechado. Outras lojas se adequaram reduzindo o número de consumidores e com utilização de máscara. Quem desobedece paga multa.

As barreiras sanitárias nas entradas da cidade não impedem mais a passagem de carros de outros municípios, mas checam a temperatura de quem mora em Niterói. A medida pode durar por mais 90 dias.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Empresa que recebeu 48 milhões de reais não entregou respiradores: três estão presos
Mortes por coronavírus no Brasil dobram em 16 dias, chegando a 30 mil
Deixe seu comentário
Pode te interessar