Sexta-feira, 14 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Light Rain

Brasil Procuradores criticam a tentativa de recondução da procuradora-geral da República sem considerar a lista tríplice

Compartilhe esta notícia:

Raquel Dodge tem feito acenos discretos ao Palácio do Planalto na tentativa de ficar no cargo por mais dois anos. (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)

Candidatos à Procuradoria-Geral da República criticaram, na terça-feira (04), movimentos que a procuradora-geral, Raquel Dodge, tem feito para ser reconduzida ao cargo sem que precise passar pela lista tríplice.

Tradicionalmente, uma votação organizada pela ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) forma uma lista com os três candidatos mais votados. A medida não é prevista em lei, mas desde 2003 todos os presidentes indicaram para o posto um dos três nomes mais votados entre seus pares.

Raquel tem feito acenos discretos ao Palácio do Planalto na tentativa de voltar ao cargo por mais dois anos, com o argumento de que é melhor o governo indicar um nome conhecido do que embarcar em uma possível aventura.

O mandato dela vence em setembro, e o presidente Jair Bolsonaro (PSL) não se comprometeu a escolher um nome da lista tríplice. Essa possibilidade foi criticada pelos candidatos à lista, após debate na sede da Procuradoria Regional da República da 3ª Região, em São Paulo.

Para o procurador regional José Robalinho Cavalcanti, a situação de Raquel Dodge é pior do que a de outros membros do Ministério Público que têm tentado a indicação presidencial por fora da lista, porque “ela tem contas a prestar”. “Ela não se afirmou ainda peremptoriamente em público de que ela é candidata fora da lista, mas eu não deixo de reconhecer de que os indícios são fortes de que isso está acontecendo”, disse Robalinho.

“Ela exerceu durante dois anos a Procuradoria-Geral e, em vez de enfrentar um processo dialógico, como nós estamos enfrentando, e dizer à sociedade ‘fiz isso, fiz aquilo, defendo o que fiz’. Prefere se ocultar de todo o processo e depois tentar uma indicação para mais dois anos, indo contrário a tudo o que ela defendeu dois e quatro anos atrás.”

Raquel Dodge, anteriormente, havia concorrido duas vezes à lista. Em 2017, ficou em segundo lugar e foi indicada à PGR pelo ex-presidente Michel Temer. O procurador regional Vladimir Aras, também concorrente, disse que “não gostaria de fulanizar”, mas vê “uma tentativa interna de explosão da lista [por parte de membros do Ministério Público], mais do que externa”.

A cobrança sobre Raquel é compartilhada pelos outros candidatos. “Acho que se ela pretende ser reconduzida, ela deveria ter concorrido. Não é porque ela concorreu uma vez que ela não deveria concorrer”, disse a subprocuradora-geral Luiza Frischeisen. Questionados a respeito do tema, o subprocurador-geral Mário Bonsaglia e o procurador regional Lauro Cardoso concordaram que, se a procuradora-geral pretende ser reconduzida, deveria comparecer aos debates.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

A Polícia Federal prendeu dois advogados, dois agentes seus e intimou a irmã de Aécio
O Incra pede uma auditoria na compra de terras
Deixe seu comentário
Pode te interessar