Sexta-feira, 07 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre

Cultura Regina Duarte é processada por apologia a crimes de tortura em entrevista

Compartilhe esta notícia:

Ex-secretária especial da Cultura, Regina Duarte virou alvo de um processo por apologia de crimes de tortura. (Foto: Isac Nóbrega/PR)

Ex-secretária especial da Cultura, Regina Duarte virou alvo de um processo por apologia de crimes de tortura. A ação é movida por Lygia Jobim, filha do diplomata José Jobim, sequestrado e morto durante a ditadura militar. A denúncia envolve também o Ministério do Turismo, que abriga a secretaria. Conforme antecipado pela coluna de Ancelmo Gois, do jornal O Globo, Lygia alega que a atriz relativizou crimes cometidos no regime, em entrevista à rede CNN Brasil em 7 de maio. Ela cobra uma indenização de R$ 70 mil. A ação civil tramita no Juízo Substituto da 23ª VF do Rio de Janeiro.

Em entrevista ao jornal O Globo, Lygia contou que decidiu entrar com a ação logo após a entrevista da atriz. Na ocasião, a então secretária da Cultura disse que “sempre houve tortura”, que não se devia “ficar cobrando coisas que aconteceram nos anos 60, 70, 80”. Também cantou a marchinha “Pra frente Brasil”, que foi apropriada pelo regime militar e virou um símbolo do governo da época.

Fiquei horrorizada com a forma como ela naturalizou a tortura”, diz Lygia. “Não há liberdade de expressão que abarque a apologia a crimes. É um acinte a todos os que foram afetados pela violência.”

Grande família de afetados

A jornalista diz que entrou com o processo não apenas em nome de toda a sua família, mas “por essa grande família de afetados” pela ditadura. O diplomata e economista José Jobim desapareceu em 1979 após revelar que denunciaria o superfaturamento na construção da Usina Hidrelétrica de Itaipu. Seu corpo foi encontrado dois dias depois, pendurado pelo pescoço em uma árvore pequena. Em 2018, o Estado reconheceu que Jobim havia sido torturado e morto pelo regime militar e que a hipótese de suicídio levantada na época havia sido forjada.

Procurado pela reportagem, o filho de Regina Duarte, André Duarte, informou que iria repassar a solicitação aos advogados da família.

Em maio deste ano, ao deixar o governo, Regina escreveu um artigo ao jornal O Estado de S. Paulo no qual explicou porque citou os versos de “Pra frente Brasil”: “Nada a ver com defesa da ditadura, como quiseram alguns, mas com o sonho de brasilidade e união que venho defendendo ao longo de toda a minha vida. E me desculpo se, na mesma ocasião, passei a impressão de que teria endossado a tortura, algo inominável e que jamais teria minha anuência, como sabem os que conhecem minha história”.

Em um documento de 25 páginas, o advogado de Lygia Jobim, Carlos Nicodemus, justifica a ação de indenização contra a União alegando que se trata de “um claro dano nacional”: “As ofensas apontadas atingem objetivamente toda a memória do Sr. José Jobim, torturado e morto durante o período ditatorial no Brasil”, escreve. As informações são do jornal Extra.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cultura

Divulgado novo cronograma do Prêmio Açorianos de Artes Plásticas
Arquivo Público documentará vivência da pandemia de coronavírus no Rio Grande do Sul
Deixe seu comentário
Pode te interessar