Sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Agro Sistema Farsul e Fundação Pró-Sementes divulgam resultados do ECR Soja 2020-2021

Compartilhe esta notícia:

O levantamento aponta um potencial produtivo de até 122 sacos por hectare (scs/ha), enquanto a média do estado está em 57,2 scs/ha. (Foto: Divulgação/ Arquivo)

O Sistema Farsul e a Fundação Pró-Sementes divulgaram, nessa última quinta-feira (15), o resultado dos Ensaio de Cultivares em Rede – ECR da safra de soja 2020-2021. O principal objetivo da rede experimental de soja é fornecer informações adicionais aos produtores e assistência técnica. O levantamento aponta um potencial produtivo de até 122 sacos por hectare (scs/ha), enquanto a média do estado está em 57,2 scs/ha.

Na safra 2020/2021, os ensaios foram conduzidos em 11 municípios, dentro das três microrregiões sojícolas no estado. A pesquisa foi realizada em Pelotas, Cachoeira do Sul, Cacequi, São Gabriel, Bagé, São Luiz Gonzaga, Júlio de Castilhos, Santo Augusto, Passo Fundo, Lagoa Vermelha e Vacaria em duas épocas de semeadura. Foram avaliadas 39 cultivares definidas pela maior representatividade de hectares aprovados para produção de sementes e que são indicadas pelo Zoneamento Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para o estado do Rio Grande do Sul.

Segundo a Gerente de Pesquisa & Desenvolvimento da Fundação Pró-Sementes, Kassiana Kehl, as condições climáticas na safra 2020/2021 foram bem variáveis no Rio Grande do Sul, mas de modo geral foi um bom ano para a sojicultura no estado, tendo em vista que os modelos climáticos estimavam baixos índices pluviométricos ao longo do desenvolvimento da cultura. Os meses de novembro, fevereiro e abril foram meses de pouca chuva, o que prejudicou o estabelecimento dos ensaios em algumas regiões como Bagé, Cachoeira do Sul, Cacequi e São Luiz Gonzaga e no estágio de maturação, enchimento de grãos em materiais de grupo de maturação mais longos nas regiões mais frias como Passo Fundo, Lagoa Vermelha e Vacaria.

Na microrregião 101, a maior produtividade ficou com a cultivar 95R90IPRO, com 122 scs/ha na segunda época de semeadura nos ensaios de Pelotas. Na primeira época, o destaque foi a 95R51 com 109 scs/ha em São Gabriel. Na microrregião 102, a Neo 610 IPRO atingiu 122 scs/ha, em Santo Augusto, na primeira época. Na segunda época, o primeiro lugar ficou com a cultivar BRS 5804, mas com produtividade de 103 scs/ha, em Passo Fundo. Na microrregião 103, três cultivares dividiram a primeira colocação, BRS 5804 RR, DM 57I52RSF IPRO, ambas na primeira época, e DM 5958 RSF IPRO, segunda época, com 85 scs/ha, em Vacaria. Todos resultados são relativos ao ciclo precoce.

Para exemplificar a importância da escolha, Kassiana usou Passo Fundo como exemplo. A diferença de produtividade entre as cultivares de maior e menor rendimento foi de 27 scs/ha. Com um preço médio de R$ 150,00 por saco de soja, a definição pode significar R$ 4.050,00 de impacto nos rendimentos do produtor.

O presidente do Sistema Farsul, Gedeão Pereira, garantiu a continuidade dos ensaios em razão da sua importância para a agricultura gaúcha. “Fazemos um esforço todos os anos e continuaremos fazendo, pois esta é uma das melhores ferramentas que temos para decidir o que fazer em relação a soja no Rio Grande do Sul”, avalia.
Para conferir o resultado completo, clique aqui.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Agro

Promovido pela Federasul, Prêmio Vencedores do Agronegócio recebe inscrições até 15 de agosto
Prefeituras e produtores rurais gaúchos são vítimas de golpistas
Deixe seu comentário
Pode te interessar