Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Fair

Brasil Um brasileiro quer atravessar a Antártida toda de bicicleta

Compartilhe esta notícia:

Leandro Martins atualmente vive na China e quer atravessar a Antártida. (Foto: Divulgação)

Agora um brasileiro quer tentar uma cicloviagem ambiciosa: pedalar todo o continente antártico, no que seria a primeira travessia de costa a costa. Já houve quem tentasse desbravar a região em duas rodas, porém em geral começavam na costa e iam até o Polo Sul (ver mapa abaixo). Pela primeira vez, um ciclista quer encarar a façanha de ponta a ponta, em uma empreitada de 55 dias e temperaturas que variam de menos 10°C a menos 40°C.

Desde a popularização das “fat bikes”, como são chamados os modelos robustos com pneus bem grossos feitos para encarar neve, areia e outros terrenos complicados, a Antártida faz brilhar os olhos de ciclistas expedicionários do mundo todo.

O ciclista em questão é o gaúcho Leandro Martins, 35, que atualmente vive na China, onde dá aulas de inglês para crianças. Não se trata de um novato em aventuras ciclísticas: em 2013, ele pedalou 14.000 km por 18 países, em uma viagem que lhe deu certa notoriedade pelo encontro com o Papa Francisco (leia aqui).

Mas agora a “brincadeira” é mais séria. Aventureiros renomadíssimos, como o explorador polar norte-americano Eric Larsen, já tentaram a proeza, mas precisaram abandonar a viagem. Em 2014, o também norte-americano Daniel Burton conquistou um baita recorde ao pedalar 1.247 km de Hercules Inlet até o Polo Sul geográfico.

No caso de Leandro, serão 1.800 km, tendo como ponto de partida a Plataforma de Gelo Ross. De lá, ele ruma para a Geleira Leverett, cruza o Planalto Antártico até alcançar o Polo Sul, em uma jornada de umas três semanas e cerca de 3.000 metros de subida acumulada. Depois são mais cinco semanas, agora com muitos trechos de descida, para atingir o destino final, Hercules Inlet.

Ele planeja pedalar de 30 a 40 km diários, e contará com um carro de apoio para transportar parte dos suprimentos — caso contrário, precisaria carregar mais de 120 kg de bagagem. Mesmo com a ajuda de um veículo, a expedição, se bem-sucedida, será uma das mais duras e corajosas do mundo.

O gaúcho está em fase de finalização dos preparativos, em busca, principalmente, de patrocinadores que queiram auxiliar nos custos da viagem (mais informações sobre isso e outras questões de seu projeto, basta acessar o site Laoshi By Bike: www.laoshibybike.com). “Laoshi” significa “professor” em chinês, e o brasileiro planeja entrar em contato com seus alunos uma vez por semana, para contar sobre as aventuras gélidas.

Questionado pela reportagem sobre qual o motivo da opção pela Antártida, Leandro afirmou que é um lugar tão único e especial que parece ser parte de outro planeta.

“Ouvi de pessoas que já estiveram lá que uma expedição no continente de gelo é uma experiência para toda vida. É claro que o custo logístico de um projeto como esse torna tudo muito mais difícil, mas é aí que a determinação e o trabalho duro fazem a diferença”, explicou.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Federer bate Shapovalov e chega ao recorde de 50 finais de Masters 1000
Um projeto em tramitação na Câmara de Vereadores de Porto Alegre prevê que os hospitais garantam prioridade aos policiais feridos em ação
Deixe seu comentário
Pode te interessar