Últimas Notícias > Colunistas > Flávio Pereira

MDB quer ampliar participação das mulheres no RS

Presidente do MDB Mulher Patricia Alba, entre o presidente do partido, Alceu Moreira, e o prefeito de Gravataí, Marco Alba. (Foto: Divulgação)

O MDB gaúcho projeta aumentar a representação de mulheres a partir das eleições municipais de 2020. Hoje, o partido possui 8 prefeitas, 11 vices e 200 vereadoras. Presidente do MDB Mulher, a suplente da bancada estadual Patricia Alba anunciou este objetivo, no Encontro Estadual Conexão Mulher, realizado sábado, em Gravataí. O caminho para alcançar o objetivo será adotar uma estratégia com a utilização dos cursos ofertados pelo MDB e pela Fundação Ulysses Guimarães para qualificar os quadros do partido. Dos 262 mil filiados ao MDB-RS, 113 mil são mulheres, o que representa 43% do total.

Discurso Ciro Gomes distancia PDT do PT

A soltura de Lula, com base em uma exótica interpretação de parte do Supremo Tribunal Federal quanto ao alcance do artigo 283 da Constituição Federal, poderá colocar definitivamente em polos opostos, o ex candidato à presidência pelo PDT Ciro Gomes, e o principal líder do PT. Não há espaço para ambos no espectro político da oposição.

Demarcando espaços

Ciro Gomes tem feito questão de demarcar este espaço e justificar a necessidade desse desapego da oposição a Lula, com uma explicação bem simples: “há uma relação simbiótica e de parasitismo entre Lula e Bolsonaro que está matando o Brasil”. Ele atribui a “essa forma de enganação” de Lula o crescimento de Jair Bolsonaro. Com isso, ele emite sinais de que o PDT poderá distanciar-se do PT já nas eleições municipais de 2020.

PDT e PT separados?

Uma avaliação das últimas e recentes eleições tem demonstrado que a estratégia de ir a reboque do PT, pejorativamente definida como “puxadinho do PT”, diminuiu o tamanho do PDT em vários estados brasileiros, inclusive no berço do partido, o Rio grande do Sul.

Previdência social em destaque

A semana deverá ser decisiva para o futuro da previdência no país e nos Estados. No Senado, o presidente da Casa Davi Alcolumbre agendou pata terça-feira a promulgação da nova alteração constitucional da Previdência. E, no dia seguinte o governador gaúcho Eduardo Leite encaminha à Assembleia Legislativa, o seu pacote que mexe do regime jurídico dos funcionários, e na previdência estadual.

Hora de homenagear a CNPC

Os 10 anos da CMPC, que iniciou suas operações no Brasil em 2009, quando adquiriu a Unidade Guaíba da Aracruz Celulose, receberão uma homenagem da Assembleia Legislativa. Será no Grande Expediente desta terça-feira às 14 horas. A proposição é do deputado Frederico Antunes (PP).

Cenas que só acontecem no Brasil

Condenado em três instâncias (1ª Vara Federal, TRF4 e STJ), Lula, valendo-se de uma gambiarra dos amigos do STF que lhe garantem provisoriamente o direito de aguardar em liberdade o desfecho dos seus processos, dá-se ao luxo de chamar o ministro da Justiça Sérgio Moro de “canalha” e ao procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato, de “chefe de quadrilha”.

 

Precavidos, ministros do STF ganharam carros blindados antes do julgamento

Frota de Ford Fusion blindados para proteger ministros do STF. (Foto: Divulgação)

Ciente de que uma convulsão capaz de desestabilizar as estruturas do país seria a única chance de mudança do governo, setores mais radicais da oposição apostam num discurso virulento na busca deste objetivo. Justiça se faça: o STF já deu uma mãozinha para que o país entre em chamas. O discurso de Lula ao sair da prisão ontem também sinalizou para uma radicalização.

STF adquiriu carros blindados para ministros

O STF preparou-se de forma premeditada para o pior dos cenários. Gastou este ano R$ 2,8 milhões, segundo edital, para a compra de 14 novos veículos blindados que serão utilizados pelos 11 ministros do tribunal Os veículos são modelo Ford Fusion SEL, com custo unitário aos cofres públicos de R$ 137.853,93. A blindagem de cada um deles saiu por R$ 61.859,97, resultando em um gasto de R$ 866.039,58. Na bolha em que vivem suas rotinas, os ministros do STF têm uma noção muito vaga dos efeitos das suas decisões no cotidiano do país. Mas têm certeza de que estarão distantes dos efeitos nefastos destas medidas.

O abacaxi fica com o Congresso

O STF sinalizou que acatará uma decisão do Congresso sobre a prisão após condenação segunda instância. Na Câmara, a tramitação da PEC 410/18 para restabelecer a prisão de condenados em segunda instância, voltou a tramitar com rapidez. A deputada catarinense Caroline de Toni (PSL), relatora da proposta vai tentar incluir a votação do relatório favorável, na sessão de segunda-feira da CCJ. A PEC é de autoria do deputado Alex Manente (Cidadania-SP).

Movimento na Câmara já começou

Líder do Novo na Câmara dos Deputados, o deputado gcho Marcel Van Hatten afirma que “é nossa obrigação” votar a PEC da prisão em segunda instância. Ele confirmou que já existe uma articulação com outros partidos, e que o PSDB já se posicionou favorável à PEC.

10% dos deputados respondem a processos

Hoje, 51 deputados federais respondem a processos criminais na Justiça. O dado representa 10% do total de parlamentares na Câmara (513). São, ao todo, 95 processos – apenas um dos deputados responde a 30 ações (quase 1/3 do total).

No Senado, presidente é contra

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), já antecipou que é contra a tramitação da PEC da prisão em segunda instância após condenação em segundo grau. A posição de Alcolumbre é compreensível: ele responde a dois inquéritos solicitados pelo Ministério Publico federal, em relação a supostas irregularidades na campanha eleitoral de 2014,quando se elegeu senador.

Senado tem 41 votos favoráveis

No Senado, 41 senadores já assinaram um documento, entregue ao ministro do STF Dias Tofoli, defendendo a prisão após condenação em segunda instância.O documento foi proposto pelo senador gaúcho Lasier Martins.

 

Heinze libera no Ministério da Educação, recursos para Instituto de Ciências Básicas da Saúde

Senador Luis Carlos Heinze obteve no Ministério da Educação,os recursos para o ICBS. Foto Senado Federal

O Ministério da Educação confirmou a liberação de R$ 1,49 milhão para as obras de construção do ICBS (Instituto de Ciências Básicas da Saúde) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. A liberação destes recursos foi resultado de uma série de gestões do senador gaúcho Luis Carlos Heinze (PP) junto ao Secretário de Educação Superior, do Ministério da Educação, Arnaldo Barbosa.
O reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rui Vicente Oppermann, destacou a importância do repasse. “A obra se iniciou no ano de 2015, com valor total do investimento de quase R$ 50 milhões. Para a conclusão, ainda serão necessários à liberação de mais de R$ 19 milhões. Quem ganha com isso é a comunidade. Todos serão beneficiados”, afirmou.
O senador Luis Carlos Heinze lembrou a importância do projeto para ampliar e aprimorar o espaço universitário, “pois as condições atuais para os estudantes estão restritas e precárias. Eles estão utilizando um prédio histórico, com vários problemas de infraestrutura e limitantes para as aulas e pesquisas. O novo espaço mudará esta realidade”. Para que a obra não seja paralisada, é necessária a liberação de mais de R$ 2 milhões até o final de 2019. Neste sentido, a diretora de Desenvolvimento da Educação em Saúde do Ministério da Educação, Claudia Gomes dos Reis, após gestões do senador gaúcho, garantiu o remanejamento de rubrica de recursos de custeio da UFRGS, com valor total de R$ 10 milhões, para serem investidos na obra. A conquista foi referendada pelo Ministério da Economia, através de portaria, que oficializou o remanejo de recursos.
A professora Ilma Simoni Brum da Silva, diretora do ICBS, afirmou que a autorização, que teve o intermédio do senador Heinze, foi um grande desafio do atual governo. “Vamos conseguir dar continuidade ao trabalho, evitando desperdício de dinheiro público e garantindo uma estrutura que fará a diferença para a população gaúcha”, disse.