Últimas Notícias > Notícias > Política > Rede de academias já conta oito clientes presos na Operação Lava-Jato

Arrasado, Lewis Hamilton chega à pista de Mônaco de moto e acaba liberado de coletiva

Lewis Hamilton pilotou moto vermelha na chegada a Mônaco. (Foto: Reprodução)

Abalado com a morte do tricampeão mundial e presidente não executivo da Mercedes, Niki Lauda, Lewis Hamilton foi liberado da entrevista coletiva para a qual estava escalado nesta quarta-feira (22) em Monte Carlo. O inglês, que se pronunciou apenas pelas redes sociais, apareceu no paddock e boxes do circuito com a cara fechada e chamou a atenção ao chegar numa moto, sozinho.

Visivelmente chateado, o líder do campeonato deste ano passeou com sua moto pelos boxes e não conversou com ninguém enquanto era alvo dos disparos das câmeras fotográficas e de telefones celulares. Em nenhum momento, o piloto da Mercedes sorriu.

Logo depois, o pentacampeão saiu com sua moto para dar uma volta de reconhecimento no traçado montado nas ruas de Monte Carlo – as vias ainda estão abertas ao trânsito.

Lewis Hamilton venceu o Grande Prêmio de Mônaco em duas ocasiões, em 2008 e 2016, mas costuma enfrentar dificuldades na pista de Monte Carlo. No começo da semana, o inglês declarou: “É uma corrida em que eu realmente não ganhei muito. Eu luto com isso todos os anos. Eu estou indo para lá, e é uma grande pista para vencer”.

Carta de Vettel para Lauda

A comunidade da Fórmula 1 ainda lamenta o falecimento de Niki Lauda aos 70 anos, na última segunda-feira, devido a complicações renais. O tetracampeão mundial Sebastian Vettel revelou que escreveu uma carta para o austríaco ainda no ano passado, depois que tentou sem sucesso conversar por telefone – Lauda foi submetido a um transplante de pulmão e ficou internado por meses para se recuperar.

“O respeito diz tudo. Ouvi dizer que ele não estava bem por algum tempo, e não estava com vontade de pegar o telefone ou tinha humor para falar pelo telefone. Você acha que apreciaria se estivesse nessa situação? Apenas ler uma pequena carta é uma coisa boa. Para mim, foi sem pensar e um sinal de respeito.”

Apesar de Lauda ocupar a presidência não executiva da Mercedes, grande rival da Ferrari nos últimos anos, o relacionamento entre eles era muito bom. Para Sebastian Vettel, uma personalidade como Niki fará muita falta à Fórmula 1

“Eu me sinto privilegiado por ter tido a chance de não apenas conhecê-lo, mas conversar com ele regularmente, curtir piadas com ele e por aí vai. Seu senso de humor era muito direto. Às vezes você não poderia dizer se era apenas uma brincadeira ou apenas uma declaração. Eu certamente gostava disso. Você não se depara com pessoas como ele com muita frequência, não apenas na F1, mas em geral. Ele era uma pessoa única.”

Outros pilotos lamentam

A morte de Niki Lauda deixou outros pilotos consternados. Na entrevista coletiva desta quarta-feira em Monte Carlo, Valtteri Bottas relembrou a estreita convivência nos últimos três anos com o tricampeão nos boxes da Mercedes:

“Obviamente, uma notícia realmente chocante para começar a semana. Com certeza, ele significou muito para mim, mas também para cada membro da nossa equipe, na equipe de corrida e na fábrica, e ele era uma grande parte da família Mercedes. Ele era uma grande motivação para todos, para mim mesmo, com certeza, como piloto por causa de tudo que ele conseguiu e com a difícil carreira que teve, e todos os retornos e tudo mais.”

Como piloto da RBR e agora da Renault, Daniel Ricciardo sempre foi adversário de Lauda, mas eles sempre se encontravam nos paddocks e, segundo o australiano, a convivência foi extremamente agradável, com boas tiradas e piadas.

“Apenas bons (momentos), com certeza. Qualquer interação que eu tivesse com ele, conversas breves ou apenas gracejos, sempre um homem gentil. A maior parte do mundo que acompanha o automobilismo o conhece como piloto, com certeza, e por tudo pelo que ele passou, o que foi surpreendente, para dizer o mínimo. Mas meus momentos pessoais com ele sempre foram gentis. Por alguns anos fomos concorrentes, mas, sim, nunca é uma coisa ruim para dizer. O legado que ele deixa é bastante incrível e com certeza nos lembramos dessas coisas boas”, disse.