Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
33°
Fair

Rio Grande do Sul Proibida a caça ao leitão em festa que ocorre domingo em Nova Petrópolis

Em sua decisão, o magistrado entendeu que é evidente a crueldade contra os animais que participam da chamada caça ao leitão.

Foto: Reprodução
Em sua decisão, o magistrado entendeu que é evidente a crueldade contra os animais que participam da chamada caça ao leitão. (Foto: Reprodução)

O desembargador Carlos Roberto Lofego Caníbal concedeu medida liminar em que proíbe a atividade denominada caça ao leitão durante o evento Festa do Leitão, no próximo domingo (24), ou qualquer outra data, se transferido.

A ação civil pública foi ajuizada pela entidade União Pela Vida contra o município de Nova Petrópolis e a Associação Cultural e Esportiva Concórdia de Linha Imperial. O pedido havia sido indeferido em primeira instância. A UPV, então, recorreu ao Tribunal de Justiça.

Se descumprida a decisão, a multa é de R$ 50 mil a cada vez que realizada esta atividade e fica configurado o crime de desobediência por parte do prefeito municipal e demais responsáveis pelo evento.

O desembargador também determinou que seja expedido mandado de acompanhamento e fiscalização, a ser cumprido na data, hora e local do evento.

Em sua decisão, o magistrado entendeu que é evidente a crueldade contra os animais que participam da chamada caça ao leitão.

“Ainda que não se tivesse – e se tem – laudos e pareceres de médicos veterinários nos autos acerca do sofrimento impingido aos animais, qualquer cidadão médio é capaz de auferi-lo, basta, com efeito, o mínimo de sensatez. Ora, muito embora não seja objetivo da atividade submeter os animaizinhos a sofrimento, não se tem dúvidas de que o simples ato de persegui-los, caçando-os a qualquer preço, impondo-lhes agonia e pavor, por si só se caracteriza como de uma crueldade imensa. Crueldade esta que lhes é imposta pelo homem pelo mero prazer, pelo orgulho de ser ‘aquele que conseguiu apanhar o leitão antes de todos’. Com isto, ocasionam ao pobre animal sofrimento gratuito – não apenas porque os agarram de qualquer forma, por qualquer parte do corpo (não raro pelas patas, pelas orelhas, pelo rabo, como se depreende das imagens das fotografias e vídeos), mas também porque lhes causam sofrimento psíquico, aguçando seu instinto de fuga, de sobrevivência. E tudo isto, reitero, por mero prazer, por pura diversão.”

O desembargador ainda afirmou que a submissão dos animais a essa crueldade fere não apenas a garantia constitucional de preservação do meio ambiente, mas também a proteção dos animais e o seu direito de que não sejam submetidos à violência e à crueldade. O mérito da ação será julgado pelos desembargadores da 1ª Câmara Cível.

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Compartilhe esta notícia:

Detentos das penitenciárias de Montenegro e de Taquara desenvolvem atividades paralelas à pena
Governo estadual e prefeitura de Porto Alegre assinam convênio para gerenciar internações hospitalares em tempo real
Deixe seu comentário
Pode te interessar