Últimas Notícias > Notícias > Mundo > Coreia do Norte envia uma carta à ONU para reclamar da apreensão de seu cargueiro pelos Estados Unidos

PSB questiona no Supremo decreto relativo à posse de armas

A ação foi apresentada à Justiça Federal em Brasília. Para o Ministério Público, o decreto é um retrocesso no controle de armas no País e coloca em risco a segurança pública. (Foto: Divulgação)

O PSB ajuizou no Supremo a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra dispositivos do decreto proposto pelo governo Bolsonaro, relativo à posse de armas. Segundo o pedido, é necessário que “se estabeleça a interpretação segundo a qual a posse de armas de fogo só pode ser autorizada às pessoas que demonstrem, por razões profissionais ou pessoais, possuir efetiva necessidade’. As informações estão no site do Supremo.

A ação foi distribuída ao ministro Edson Fachin, que acionou o artigo 10, o qual determina que a medida cautelar em ADI será concedida por maioria absoluta dos membros do Tribunal (seis membros). Fachin solicitou informações à Presidência da República no prazo de cinco dias, e após à Advocacia-Geral da União e à Procuradoria-Geral da República.

A lei estabelece que, além de declarar a efetiva necessidade, é preciso atender os seguintes requisitos para adquirir arma de fogo: certidões negativas de antecedentes criminais; não estar respondendo a inquérito policial ou a processo criminal; ocupação lícita e residência certa; e capacidade técnica e de aptidão psicológica para o manuseio de arma.

Já o decreto permite a posse de arma para residentes em áreas urbanas com elevados índices de violência, ‘consideradas aquelas localizadas em unidades federativas com índices anuais de mais de dez homicídios por cem mil habitantes em 2016, conforme os dados do Atlas da Violência 2018’.

Para o partido, a interpretação segundo a qual a posse de armas pode ser generalizada, pela circunstância de o Brasil, em todo o território nacional, apresentar graves índices de violência, é ‘gravemente incoerente’, pois, conforme dados científicos, ‘generalizar a posse de armas de fogo aumenta a violência, não o contrário’.

Deixe seu comentário: