Sexta-feira, 27 de maio de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Geral Replicação de mensagens em massa nas redes sociais desafia autoridades e as próprias plataformas

Compartilhe esta notícia:

Usuários que agem como robôs desafiam debate nas redes. (Foto: Reprodução)

A replicação de mensagens em massa nas redes sociais desafia autoridades e as próprias plataformas, como na batalha virtual da cloroquina, ao longo da pandemia revelada. O uso de robôs preocupa, mas especialistas alertam para um desafio ainda maior: usuários reais que agem como robôs e repassam conteúdo de modo quase automatizado, muitas vezes seguindo influenciadores.

A análise de 20 milhões de menções a tratamento precoce no Twitter feita pela LLYC identificou cerca de 10% das contas que podem ser consideradas de comportamento automatizado, de um total de 1,85 milhão. Especialistas veem nessa situação indícios do uso de robôs.

Especialista da USP em debate digital, Pablo Ortellado lembra que estudo recente conduzido por ele aponta cerca de 50% mais robôs no campo bolsonarista do que na oposição. Mas vê no engajamento a explicação mais forte para a adesão ao discurso pró-cloroquina.

A complexidade em rastrear robôs vai além da tecnologia. “Temos militantes que agem exatamente como robôs. Dezenas de milhares de pessoas. Seguem ordens”, diz. “É difícil separar comportamento humano militante de um robô que se disfarça de humano. A empresa tenta, mas não consegue.”

Para Patrícia Blanco, do Instituto Palavra Aberta, de educação midiática, a crença ou ideologia às vezes impede reflexão crítica do usuário. “Entra num patamar que transcende a educação, em que ele não se importa se aquilo é verdade ou não.”

Para especialistas, a polarização, o uso de robôs e o comportamento de replicar mensagens em massa indicam desafios para a eleição de 2022 – tema que já ganha as redes com a defesa do presidente Jair Bolsonaro pelo voto impresso – e a necessidade de atuação das plataformas.

Em nota, o Twitter informou não emitir conclusões específicas, por não ter acesso à íntegra do estudo da LLYC. A empresa disse ter detecção proativa de conteúdos que violem regras ou de comportamentos suspeitos de “automação maliciosa”, além de alertas de usuários. Há um procedimento para checar (desafio) se existe alguém por trás da conta e tomar medidas.

Afirmou que estudos que identificam robôs feitos por terceiros podem ter falhas metodológicas e levar a falsos resultados. De março de 2020 até julho de 2021, 11,7 milhões de contas foram desafiadas, 1.496 perfis suspensos e mais de 43.010 conteúdos foram removidos no mundo. Sobre a eleição, o Twitter disse que sua política global para o tema foi revista em 2020.

Fake news

Estudo do Center for Counter Digital Hate, nos Estados Unidos, descobriu que só 12 pessoas são responsáveis pela maior parte das fake news e informações distorcidas sobre vacinas anticovid em três das principais redes sociais. Esses 12 produzem 65% das ações de desinformação sobre o tema nas plataformas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

Supremo anula correção bilionária de salários de empregados da Petrobras
Polícia Federal apreende mais de 1 tonelada de cocaína em jato executivo no aeroporto de Fortaleza
Deixe seu comentário
Pode te interessar