Quarta-feira, 08 de dezembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Economia A pirataria inibe geração de emprego, investimento e crescimento econômico

Compartilhe esta notícia:

Apenas em 2020 o prejuízo foi de R$ 288 bilhões. (Foto: Divulgação)

A pirataria inibe geração de emprego, investimento e crescimento econômico. Por isso, o combate a um crime com tamanho impacto sobre a sociedade – apenas em 2020 o prejuízo foi de R$ 288 bilhões – demanda um esforço coordenado de governo, empresas e consumidores, apontaram especialistas no webinar A pirataria no Brasil, realizado na terça-feira pelos jornais O Globo e Valor Econômico, com patrocínio da Abrabe (Associação Brasileira de Bebidas).

“Parece um crime de menor potencial ofensivo, mas giram ao seu redor crimes de corrupção, roubos, lavagem de dinheiro e delitos contra a propriedade intelectual”, diz Guilherme Vargas da Costa, secretário executivo do Conselho Nacional de Combate à Pirataria do Ministério da Justiça, que participou do evento.

Entre as ações a serem tomadas pelo governo, um dos pontos levantados pelos especialistas é a necessidade de uma reforma tributária para diminuir a carga e a complexidade do sistema.

Segundo Antonio Florencio de Queiroz Junior, presidente da Fecomércio RJ, a carga tributária “é um dos fatores que mais levam o consumidor a buscar produtos piratas, pela diferença de preço”.

O recente aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), que encarece o crédito e, por tabela, a produção, só agrava a situação:

“A concorrência desleal vem ceifando empregos e impostos. Com mais esse aumento (do IOF), esse tipo de prática cresce. O aumento de carga só recai sobre quem está na formalidade”, frisa Queiroz.

Campanhas de esclarecimento

Um dos obstáculos à repressão da pirataria é a crença de parte da população de que ela é um caminho para a democratizar o acesso a serviços e produtos:

“Ao subir imposto, o governo dá munição a quem alega que a pirataria democratiza o acesso. É preciso tirar o romantismo da pirataria, esse clima de Robin Hood. Ela é feita por todas as classes sociais e não democratiza, é um risco à sociedade”, diz Marcelo Bechara, diretor de Relações Institucionais do Grupo Globo.

Daí a necessidade de campanhas de conscientização, com empresas atuando proativamente para coibir a prática e apontando responsabilidades dos consumidores. A Associação Brasileira de Bebidas (Abrabe), por exemplo, promove campanhas nos pontos de venda sobre a falsificação, que impõe perda de R$ 10 bilhões ao setor.

Segundo Cristiane Foja, presidente executiva da entidade, a bebida ilegal já é 15% do mercado, com preço até 70% menor:

“Temos que trabalhar em conjunto, fazer campanhas para mobilizar quem está na ponta, diretamente com o consumidor. É um problema de todos. Isso é uma guerra e somos todos soldados.

Simultaneamente, é preciso reprimir a oferta dos produtos piratas, com punições mais severas, investimento em capacitação das polícias e atuação nas fronteiras”, diz Edson Vismona, presidente do Fórum Nacional Contra a Pirataria:

“Com a recuperação econômica, eles (os que fazem pirataria) virão com força. Tem que ter uma visão sistêmica e sistemática da repressão, atuando em portos, aeroportos, nas estradas, com operações integradas entre Receita, Polícia Federal e forças policiais estaduais.” As informações são do jornal O Globo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

“Às vezes, no Brasil, o usuário tem internet 2G a preço de 4G”, afirma Carlos da Costa, do Ministério da Economia
Avanço do comércio eletrônico demanda novas regras. Plataformas digitais criam meios para banir vendedores de produtos piratas
Deixe seu comentário
Pode te interessar