Quarta-feira, 12 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
11°
Cloudy

Brasil Analistas do mercado passam a projetar queda de 6% no PIB de 2020

Compartilhe esta notícia:

As projeções fazem parte do relatório Focus, divulgado pelo Banco Central. (Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)

Os economistas do mercado financeiro ajustaram suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. A expectativa para a economia este ano passou de retração 6,50% para queda de 6,10%. Para 2021, os analistas mantiveram a previsão de alta de 3,50%.

As projeções fazem parte do boletim de mercado conhecido como relatório Focus, divulgado nesta segunda-feira (13), pelo Banco Central (BC). Os dados foram levantados na semana passada em pesquisa com mais de 100 instituições financeiras.

Em junho, o BC informou que seu Índice de Atividade (IBC-Br) recuou 9,73% em abril ante março, na série com ajustes sazonais, no maior recuo da história em um único mês.

No dia 13 de maio, o governo brasileiro passou a estimar queda de 4,7% para o PIB de 2020, tendo como base a perspectiva de que as medidas de distanciamento social terminariam no fim daquele mês, o que não aconteceu. O Banco Mundial prevê recuo de 5% no PIB brasileiro e o Fundo Monetário Internacional (FMI) estima um tombo de 9,1% em 2020.

O PIB do primeiro trimestre do ano, que não foi totalmente afetado pelas medidas de isolamento social para conter o avanço do coronavírus, recuou 1,5%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Inflação e juros

A projeção para o IPCA – o índice oficial de preços – em 2020 também sofreu alteração: a mediana das estimativas passou de alta de 1,63% para 1,72%. A previsão para o índice em 2021 seguiu em 3,00%.

A estimativa dos economistas para a inflação já está bem abaixo do centro da meta de 2020, de 4,00%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,50% a 5,50%). No caso de 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%).

Na semana passada, o IBGE informou que o IPCA subiu 0,26% em junho. No acumulado do primeiro semestre do ano, a alta é de 0,10%.

Os analistas mantiveram suas projeções para a Selic, a taxa básica de juros, no fim de 2020 em 2,00% ao ano. Para o fim de 2021, a estimativa é de juros de 3,00% ao ano.

Em junho, ao cortar a Selic de 3,00% para 2,25% ao ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central informou que, para as próximas reuniões, “vê como apropriado avaliar os impactos da pandemia e do conjunto de medidas de incentivo ao crédito e recomposição de renda, e antevê que um eventual ajuste futuro no atual grau de estímulo monetário será residual”.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Um estudo tenta explicar por que os obesos correm mais riscos de desenvolver uma forma grave de coronavírus
USP afasta aluno acusado de fraudar sistema de cotas
Deixe seu comentário
Pode te interessar