Sábado, 15 de Maio de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Fair

Acontece Como identificar se seu filho está com estresse pandêmico

Compartilhe esta notícia:

(Foto: Divulgação/ Pixabay)

O Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (USP) realizou uma pesquisa com cerca de sete mil pais de crianças e adolescentes dos 5 aos 17 anos para verificar o nível de estresse pandêmico. Segundo dados do estudo, 27% das pessoas dessa faixa etária apresentam sintomas de ansiedade ou depressão em nível clínico na pandemia, ou seja, com necessidade de avaliação profissional.

O estresse elevado e contínuo pode gerar danos irreversíveis ao desenvolvimento neuropsicomotor de uma criança. “A evolução do indivíduo depende da genética e do ambiente que o cerca. Durante a pandemia, esse ambiente tende a se tornar inapropriado para o crescimento adequado de uma criança, que está em intenso desenvolvimento cerebral”, explica a psiquiatra da Infância e Adolescência na Escola Paulista de Medicina UNIFESP e especialista pela Associação Brasileira de Psiquiatria, doutora Danielle H. Admoni.

Como identificar

Conforme a psiquiatra, toda criança será exposta, inevitavelmente, a situações adversas, como a perda do seu animal de estimação, mudança de escola, de cidade, entre outras. Mas, no momento atual, o cenário é mais delicado, pois se trata de um episódio completamente atípico.

“A criança pode dar os primeiros sinais desse estresse com atitudes que antes não eram comuns. Ficam mais chorosas, não dormem bem, alteram o apetite, regridem no desenvolvimento (uma criança que já havia realizado o desfralde volta a fazer xixi na cama) e evoluem para quadros mais intensos de agitação, agressividade, personalidade introspectiva, sentimento de incompetência e déficit de atenção”, explica Danielle H. Admoni.

Quais as consequências

Quando a criança é exposta ao estresse constante, toda a sua estrutura cerebral é afetada, provocando disfunção no sistema neurológico e endocrinológico. “Essas alterações se refletem na vida adulta, com o desencadeamento de doenças crônicas, como hipertensão arterial sistêmica, diabetes melitos, doenças pulmonares, transtornos mentais (como depressão ou transtorno de ansiedade generalizada) e maior risco à dependência química”, destacou Danielle.

Como lidar com os sintomas

De acordo com a psiquiatra, em meio a todas essas situações atuais, fica mais evidente a importância do suporte familiar, do acolhimento, do incentivo às atividades de lazer, do estabelecimento de uma rotina saudável (alimentação, sono e exercícios) e, se necessário, de um tratamento multidisciplinar com psicoterapia.

“Todo esse amparo, somado a sua maturidade, ao seu estágio de desenvolvimento e sua habilidade intrínseca, serão determinantes para que a pandemia não gere graves consequências à criança”, finaliza Danielle Admoni.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Acontece

Projeto infantil realiza atividades de inclusão no mês de abril
Confira a programação da 9ª Semana da Dança de Canoas
Deixe seu comentário
Pode te interessar