Quinta-feira, 09 de dezembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Partly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Dos atuais 23 ministros de Bolsonaro, pelo menos 17 já pegaram covid

Compartilhe esta notícia:

As duas confirmações mais recentes são da ministra Tereza Cristina, na foto, e Bruno Bianco. (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

Dos atuais 23 ministros do governo do presidente Jair Bolsonaro, pelo menos 18 já pegaram covid-19. Quatro tiveram a doença antes de assumir o cargo.

As duas confirmações mais recentes são da ministra Tereza Cristina (Agricultura) e Bruno Bianco (Advocacia-Geral da União), que anunciaram teste positivo nesta sexta-feira (24).

Outros cinco ex-ministros também tiveram covid. Os cinco enquanto estavam nos cargos.

Contraíram a doença

— Pegaram covid no exercício do cargo: Marcelo Queiroga (Saúde); Luiz Eduardo Ramos (Secretaria-Geral da Presidência); Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional); Bento Albuquerque (Minas e Energia); Milton Ribeiro (Educação); Onyx Lorenzoni (Trabalho); Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia e Inovações); Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União); Braga Netto (Defesa); Fábio Faria (Comunicações); Tereza Cristina (Agricultura); Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e Bruno Bianco (Advocacia-Geral da União).

— Antes de assumir o cargo: João Roma (Cidadania); Ciro Nogueira (Casa Civil); Anderson Torres (Justiça); Gilson Machado (Turismo); Joaquim Leite (Meio Ambiente).

— Ex-ministros que contraíram quando estavam no governo: André Luiz Mendonça (Justiça e AGU); Jorge Oliveira (Secretaria-Geral); Marcelo Álvaro Antônio (Turismo); Eduardo Pazuello (Saúde); Ricardo Salles (Meio Ambiente).

Primeira-dama vacinada

O presidente Jair Bolsonaro afirmou em entrevista à revista “Veja”, publicada nesta sexta, que a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, se vacinou nesta semana nos Estados Unidos. Michelle integrou a comitiva presidencial que foi a Nova York por ocasião da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Para políticos e infectologistas, a opção da primeira-dama de se vacinar nos Estados Unidos, e não no Brasil, é um “absurdo” e um “desprezo” ao Sistema Único de Saúde (SUS) e ao Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Bolsonaro foi questionado pela revista se é um mau exemplo o fato de ele ter declarações contra vacinas e ter demorado para comprar imunizantes para o Brasil. Na resposta, o presidente contou que Michelle quis se vacinar na viagem ao exterior. Bolsonaro reforçou que ele ainda não se vacinou.

“Tomar vacina é uma decisão pessoal. Minha mulher, por exemplo, decidiu tomar nos Estados Unidos. Eu não tomei”, revelou o presidente para “Veja”.

Michelle poderia, se quisesse, ter tomado a vacina no Brasil. Em Brasília, cidade onde a primeira-dama mora, a vacinação para a idade dela (39 anos) está disponível desde o dia 23 de julho.

 

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Bolsonaro diz que Michelle se vacinou nos Estados Unidos
Aliados do ex-juiz Sérgio Moro acreditam que, hoje, sua tendência é concorrer a uma vaga no Senado
Deixe seu comentário
Pode te interessar