Sábado, 04 de Abril de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Fair

Brasil E-mails mostram que Marcelo Miller já ajudava a JBS/Friboi enquanto ainda era procurador da República

PGR identificou trocas de e-mails entre ex-procurador e uma advogada. (Foto: Reprodução)

O procurador-geral da República,Rodrigo Janot, afirmou no pedido de prisão apresentado ao STF (Supremo Tribunal Federal) contra o ex-procurador Marcelo Miller que o ex-investigador da Operação Lava-Jato chegou a auxiliar o grupo J&F – controlador do frigorífico JBS – enquanto ainda atuava no MPF (Ministério Público Federal).

Na mesma ação cautelar, o procurador-geral pediu a prisão do empresário Joesley Batista e do diretor da J&F Ricardo Saud. Relator da Lava-Jato no STF, o ministro Luiz Edson Fachin acolheu o pedido para prender Joesley e Saud, mas negou o de Miller.

Janot destacou no pedido de prisão que, com base em documentos apresentados pelo escritório Trench, Rossi, Watanabe – que contratou Miller, em março, para trabalhar no acordo de leniência da J&F –, a PGR identificou trocas de e-mails entre o então procurador da República e uma advogada da banca de advocacia.

Nesses e-mails, registra Janot, foram trocadas mensagens sobre “marcações de voos para reuniões, referências a orientações à empresa J&F e inícios de tratativas em benefícios à mencionada empresa”.

Suspeito também de ajudar os executivos da J&F a negociar seus acordos de delação (feitos por pessoas físicas na esfera penal), Miller teve o pedido de prisão negado, na última sexta (8), pelo relator da Lava Jato no STF, ministro Luiz Edson Fachin.

Fachin considerou não haver indícios suficientes de que ele foi “cooptado” pela organização criminosa de Joesley Batista e Ricardo Saud, presos por ordem de Fachin.

Cardozo

Em outro trecho do pedido de prisão, Janot diz haver “indicativo” de que Marcelo Miller, ainda como procurador da República, ajudou os executivos da J&F a “filtrar informações, escamotear fatos e provas e ajustar depoimentos e declarações, em benefício de terceiros que poderiam estar inseridos no grupo criminoso”.

Entre essas informações “escondidas” por orientação de Miller, estaria um encontro gravado de Joesley e Saud com o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo.

Em depoimento à PGR na semana passada, Ricardo Saud contou que, em um encontro com Miller, quando ele ainda era procurador, “houve uma briga quando falou sobre José Eduardo Cardozo”.

O diretor da J&F relatou que participou de um encontro entre Joesley, Cardozo e o advogado Marco Aurélio Carvalho, sócio do ex-ministro da Justiça. Segundo Saud, nessa reunião que também teria sido gravada, Marco Aurélio quis “vender serviços” de advocacia.

Quando contou a Miller que havia gravado Cardozo, o ex-procurador “disse que aquilo daria cadeia, que iriam para cima deIe, depoente, e José Eduardo Cardozo”.

Suspensão

No pedido para prender Joesley, Saud e Miller, o chefe do Ministério Público considerou a omissão da suposta ajuda prestada pelo ex-procurador da República como um motivo para rescindir a delação dos executivos da J&F.

Por isso, Janot pediu a Fachin a suspensão temporária do acordo, o que inclui benefícios, como a imunidade penal, que os impedia de serem processados. (AG)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Ex-advogado de Antonio Palocci deixa a defesa de Lula em casos ligados ao ex-ministro
O Senado abre uma consulta pública sobre a anulação do Estatuto do Desarmamento
Deixe seu comentário
Pode te interessar