Quarta-feira, 19 de junho de 2024

Porto Alegre

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui


Brasil Empresas sofrem perdas bilionárias com greves no setor público

Compartilhe esta notícia:

Ibama é um dos órgãos que atualmente faz paralisações.

Foto: Divulgação/Ibama
Ibama é um dos órgãos que atualmente faz paralisações. (Foto: Divulgação/Ibama)

Empresas de diversos setores enfrentam perdas significativas devido às paralisações de carreiras ligadas ao setor público, que já ultrapassam os R$ 2,2 bilhões, principalmente no setor do petróleo. Atualmente, pelo menos 15 categorias de funcionalismo estão envolvidas em movimentos de reivindicação, com negociações em andamento com o governo há meses.

Entre as categorias afetadas estão funcionários ligados à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), CGU (Controladoria Geral da União), Tesouro Nacional, Susep (Superintendência de Seguros Privados), Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), e profissionais da educação, entre outras.

A paralisação das atividades do Ibama tem causado perdas expressivas no setor de petróleo e gás, que já contabiliza cerca de R$ 2,250 bilhões, segundo o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP). Empresas têm deixado de produzir 40 mil barris de petróleo diariamente devido à falta de licenças de operação, impactando não apenas os negócios, mas também a economia nacional. Outro exemplo é no setor automotivo. Lançada em março, a Fiat Titano tem mostrado um resultado muito fraco nos emplacamentos, com apenas 43 unidades registradas em abril. É uma quantidade tão baixa que não dá para dizer que ela fracassou nas lojas, e sim de que tem algo de errado. De fato, a caminhonete simplesmente não está chegando às concessionárias para ser entregue aos clientes, e a culpa é a greve do Ibama, que emite o certificado ambiental para os veículos importados.

Além disso, a paralisação afeta também outras áreas, como mineração e energia. O número de licenças concedidas pelo Ibama reduziu drasticamente, prejudicando projetos de termoelétricas e eólicas, entre outros. O setor automobilístico também é impactado, com 30 mil veículos aguardando liberação ambiental em portos, afetando não só o mercado nacional, mas também as exportações.

O movimento de paralisação pode se intensificar caso categorias que atualmente realizam apenas paralisações decidam radicalizar, alerta Rudinei Marques, presidente da Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas do Estado). A situação pode se agravar, comprometendo não apenas o funcionamento do governo, mas também o orçamento público.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Caixa adia prova de concurso no Rio Grande do Sul, mas mantém seleção no restante do País
Não é preciso aderir ao catastrofismo para saber que as tragédias têm a ver com a escalada do aquecimento global
https://www.osul.com.br/empresas-sofrem-perdas-bilionarias-com-greves-no-setor-publico/ Empresas sofrem perdas bilionárias com greves no setor público 2024-05-13
Deixe seu comentário
Pode te interessar