Quinta-feira, 09 de dezembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Partly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Estudantes realizam o segundo dia de provas do Enem. Intolerância religiosa no Brasil é o tema da redação

Compartilhe esta notícia:

Provas têm cinco horas e meia de duração (Foto: Reprodução)

Mais de 8 milhões de estudantes realizam neste domingo (06) o segundo dia de provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em todo o Brasil. Eles respondem aos testes de linguagens e matemática e fazem a temida redação.

Como no primeiro dia, os portões dos locais de prova foram abertos às 12h e fechados às 13h. Os candidatos têm até cinco horas e 30 minutos para completar as provas. Os estudantes podem usar na folha de respostas apenas caneta esferográfica de tinta preta, fabricada em material transparente.

Os concorrentes não podem utilizar óculos escuros, boné ou relógio. Os celulares foram guardados antes do começo das provas em embalagens lacradas fornecidas nas  salas de aula.

Logo depois do início da prova, o Inep divulgou o tema da redação do Enem 2016: “Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil”. Os candidatos deverão fazer um texto de até 30 linhas com uma proposta sobre o problema.

Primeiro dia de provas

O primeiro dia de provas do Enem, no sábado (05), ocorreu com tranquilidade em todo o País, conforme o Ministério da Educação. As provas foram realizadas em 16.071 locais e deixaram de ocorrer em 405 escolas por conta das ocupações de estudantes contrários à proposta que limita os gastos públicos.

Com isso, 271.033 inscritos tiveram o exame adiado para dezembro. As provas aplicadas ontem foram de ciências da natureza e suas tecnologias e ciências humanas e suas tecnologias.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Polícia Federal prende 11 pessoas em operações contra fraudes no Enem
Com aumento das abstenções e de votos nulos na eleição deste ano, cientista político prevê para 2018 uma “explosão de insatisfeitos”
Deixe seu comentário
Pode te interessar