Quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Cláudio Humberto Etanol no livre mercado deve derrubar os preços

Compartilhe esta notícia:

Suspensão da análise de ação após empate leva a questionamento por parte de ministros. (Foto: Dorivan Marinho/SCO/STF)

O Brasil deve passar por silenciosa revolução após a medida provisória nº 1069/21, assinada na segunda (13), que libertou o etanol do controle da Petrobras e das distribuidoras/atravessadoras de combustíveis. A principal consequência será a queda de preços. Afinal, a Petrobras não fixará mais o valor a ser pago pelo consumidor pelo etanol, o produtor se livra das distribuidoras sanguessugas e, como cereja do bolo, o ICMS do etanol, em alguns estados, custa até metade do ICMS da gasolina.

Redução, já
O desafio dos produtores de etanol, para ganhar apoio dos brasileiros, será materializar na bomba a aguardada redução de preços.

Preferência nacional
A expectativa é que a venda direta reduza os preços e, com isso, o etanol se transforme finalmente no combustível preferido dos brasileiros.

Custo atravessador
Desde 2009, a intermediação rendeu bilhões às distribuidoras, e representa acréscimo mínimo de 15% no preço final para o consumidor.

De pai para filho
Produzindo apenas notas fiscais, as distribuidoras receberam da ANP a exclusividade na venda de combustíveis aos postos.

Mendonça é bola da vez no velho jogo do Senado
Quando presidiu o Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) costumava travar indicações de embaixadores ou de dirigentes de agências reguladoras, para forçar o governo a atender, digamos, as suas demandas. Repete agora velha atitude na indicação de André Mendonça para a vaga de Marco Aurélio no Supremo Tribunal Federal (STF). Mendonça não sofre restrições no Senado ou STF. É apenas a bola da vez nas “pendências” do atual presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

Vacância prejudica
O cargo de ministro do STF está vago há 65 dias e já se fala em Augusto Aras para substituir a indicação do ex-ministro André Mendonça.

Um senador ‘se achão’
No Planalto prospera a certeza de que o “se achão” Alcolumbre achava que deveria ter sido consultado sobre a escolha do presidente.

Esqueceram de mim
Outra razão para o boicote seria uma vingança contra o fato de o mesmo Alcolumbre não ter sido convidado para o ministério de Bolsonaro.

Pedala, Senado
A direção nacional e os líderes do Pros no Congresso pediram celeridade na avaliação do ex-ministro André Mendonça para o STF. O Senado tem o papel de sabatinar e aprovar ou rejeitar e não de postergar a indicação.

‘Reforma’ é piada
O substitutivo do relator Arthur Oliveira Maia (BA) conseguiu piorar a proposta original da reforma administrativa, que já não reformava coisa alguma, adiando medidas urgentes para futuras gerações de servidores.

Afronta à verdade
A reforma administrativa vai manter regalias, privilégios, mordomias e penduricalhos do setor público, mas ainda tem sindicalista reclamando de barriga cheia. Chamam-na enganosamente de “afronta à democracia”.

Impressão
O presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, será observador da eleição na Rússia, que usa o voto impresso. A expectativa é pela avaliação do ministro, militante contra a impressão do voto.

Dois pesos
Nem 24 horas depois de o TSE afirmar que vai investigar se manifestações do 7 de setembro foram financiadas, partidos políticos divulgam patrocínio a ato por impeachment de Bolsonaro: “se vai investigar, que investiguem todos os financiamentos”, criticou a deputada estadual Janaína Paschoal.

Sincericídio
Âncora da Fox News, Tucker Carlson causou controvérsia ao parecer revelar o segredo de muitos jornalistas. Em entrevista, afirmou que mente apenas quando está encurralado, mas “tenta nunca mentir na TV”.

São uns artistas
Opositores foram ao STF para obrigar Alcolumbre a marcar a sabatina de André Mendonça, alegando razões “republicanas”. São uns artistas. Na verdade, eles apenas apostam que há um clima para barrar a indicação.

Não sairá do papel
O deputado Marco Feliciano adorou a ideia de CPI para investigar se a facada em Bolsonaro foi fake. “Que se faça CPI. Vamos convocar Adélio, os advogados, vamos quebrar os sigilos bancário e telefônico de todos”.

Pensando bem…
… se Alcolumbre sentar em cima das próximas dez indicações, fecha o STF.

PODER SEM PUDOR

Defunto não reclama
Moura Cavalcanti era governador de Pernambuco quando um jovem parente de quem não gostava concluiu Medicina. Ele comentou com o secretário de Planejamento, Luiz Otávio: “Já sei o que vai acontecer. Este garoto não tem consultório e vou ter que acabar nomeando-o para algum lugar no governo do Estado.” O secretário teve uma ideia: “Há um jeito de amenizar o problema. O senhor pode nomeá-lo médico legista. Pelo menos os pacientes não vão reclamar…”

Com André Brito e Tiago Vasconcelos

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cláudio Humberto

Depois de 7 de Setembro, ficou mais difícil golpe contra Jair Bolsonaro
Depois de 7 de Setembro
Deixe seu comentário
Pode te interessar