Sábado, 08 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Fair

Colunistas Governo Federal envia ao RS nova ajuda de R$ 544 milhões

Compartilhe esta notícia:

Ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente, Jair Bolsonaro. (Foto: Reprodução de vídeo)

O governo gaúcho confirmou o ingresso, ontem, nos cofres do Tesouro do Estado, da segunda parcela do auxílio emergencial do governo federal no valor de R$ 544,3 milhões. Desse total, R$ 487,5 milhões são para uso livre, para amenizar os impactos da arrecadação provocado pelo fechamento das atividades econômicas. O valor de R$ 56,8 milhões precisa ser utilizado com exclusividade no combate ao Covid-19.

Ajuda cobre queda da receita

A ajuda do Governo Federal vai cobrir com folga a queda de receita do Rio Grande do Sul. Só em julho, as projeções da Secretaria da Fazenda apontam para queda de arrecadação de cerca de R$ 375 milhões brutos, segundo cálculos do secretário da Fazenda, Marco Aurelio Cardoso.

Os números da verdade

Ontem, o presidente Jair Bolsonaro alertou que “os números da verdade perseguirão para sempre aqueles que pensaram mais em si do que na vida do próximo”.

Cem dias de “quarentena inútil”

O médico e deputado federal Osmar Terra voltou a comentar que “o Rio Grande do Sul ficou praticamente cem dias em quarentena e lockdown que não adiantou nada. Porque o vírus não circulou igual em toda parte. Se concentrou em locais que tinham voos de turismo com a Europa. O Rio Grande do Sul não tem voos diretos com a Itália, com a China, como em outras regiões. No Sul e Centro Oeste a circulação do vírus foi pequena e agora está aumentando um pouco. Mas não tem nada a ver com a flexibilização. Os governadores entraram numa canoa furada. Acreditaram, pegaram carona no medo. E o único resultado dessa quarentena e desse lockdown foi quebrar o país e dobrar o número de miseráveis e de desempregados”.

Ministros militares repudiam falta de compostura de Gilmar

A declaração imprudente do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, sugerindo que os militares estariam se associando ao “genocídio” do governo de Jair Bolsonaro mereceu uma nota do Ministro da Defesa e dos Comandantes Militares, que teve a solidariedade do general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional: “Reafirmo meu apoio à Nota Oficial, emitida nesta segunda-feira (13) pelo Ministro Gen. Ex. Fernando Azevedo e pelos Comandantes das Forças Armadas, em resposta à injusta agressão sofrida pelo Exército Brasileiro, em entrevista do Ministro do STF Gilmar Mendes”, postou Heleno no Twitter, na tarde desta segunda-feira, sobre a nota assinada pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e pelos comandantes das Forças Armadas.

Desaparelhando o INPE

O presidente Jair Bolsonaro deu ontem mais um passo na árdua tarefa de desaparelhar INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas

Jair Bolsonaro: “Eu sempre disse que o efeito colateral não poderia ser pior que o próprio vírus”
Desmatamento, agronegócio e o dever da veracidade
Deixe seu comentário
Pode te interessar