Quarta-feira, 19 de junho de 2024

Porto Alegre
Porto Alegre, BR
18°
Thunderstorm

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui


Rio Grande do Sul Justiça Federal condena administrador de empresa por sonegação de mais de R$ 500 mil em impostos no Rio Grande do Sul

Compartilhe esta notícia:

O homem prestou informações falsas às autoridades fazendárias

Foto: Divulgação
Em novembro do ano passado, a projeção era de que a alíquota poderia ser um pouco maior: de 27,5%. (Foto: Divulgação)

A 5ª Vara Federal de Novo Hamburgo, no Vale do Sinos, condenou o ex-administrador de uma empresa de equipamentos industriais em São Leopoldo pela sonegação de mais de R$ 500 mil em tributos.

Segundo informações divulgadas pela Justiça Federal na segunda-feira (15), o MPF (Ministério Público Federal) denunciou que o acusado, na condição de administrador e gestor financeiro da empresa, foi responsável pela supressão de R$ 404.096,84 de contribuições previdenciárias e mais R$ 99.101,14 de contribuições sociais para outras entidades e fundos. Ele prestou informações falsas às autoridades fazendárias.

A defesa sustentou que o réu é inocente, requerendo a sua absolvição. Afirmou que não houve dolo por parte dele, que procurou a Receita Federal e buscou o financiamento dos débitos antes da execução, mas não obteve êxito por forças alheias à sua vontade. Argumentou que a prestação de informações incorretas ocorreu em decorrência de uma confusão do contador, da falta de conhecimento e de condições de pagamento.

Conforme o juiz federal Eduardo Gomes Philippsen, a sonegação de tributos ficou demonstrada por meio de documentos contidos nos autos, que comprovaram que a empresa efetuava pagamentos como se estivesse em regime de tributação diferente do qual pertencia, prestando informações inverídicas aos órgãos fazendários.

Philippsen considerou que o acusado admitiu ter assumido a administração da empresa em 2012, sendo o responsável pelo pagamento de tributos. Ele observou também que as alegações da defesa dos motivos que levaram à prestação de informações inverídicas não ficaram comprovadas.

O juiz analisou que o fato do preenchimento das informações ter sido feito por um contador não exime a responsabilidade do administrador, que possui o poder de decidir sobre o teor das declarações. Tampouco dificuldades financeiras podem ser usadas como argumento para o cometimento de fraude fiscal.

“O elemento diferenciador da sonegação e do mero inadimplemento consiste no emprego de artifício para burlar a administração tributária. Ou seja, o contribuinte adota comportamento fraudulento para induzir o Fisco em erro e, assim, conseguir reduzir ou suprimir tributo. A conduta ardilosa revela-se tanto na omissão deliberada quanto na conduta ativa, consistente, por exemplo, na inserção de informação falsa que repercute na redução ou supressão de tributo”, concluiu.

Philippsen julgou procedente a ação, condenando o administrador a três anos e dez meses de reclusão. Observando que o réu atende aos requisitos estipulados na lei, o juiz substituiu a pena privativa de liberdade pela prestação pecuniária e de serviços à comunidade. Cabe recurso da decisão ao TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Projeto Bota-Fora atende 11 comunidades nesta semana em Porto Alegre
Ministro do Supremo Cristiano Zanin se declara impedido de julgar recurso de Bolsonaro contra multa imposta pela Justiça Eleitoral
https://www.osul.com.br/justica-federal-condena-administrador-de-empresa-por-sonegacao-de-r-500-mil-em-impostos-no-rio-grande-do-sul/ Justiça Federal condena administrador de empresa por sonegação de mais de R$ 500 mil em impostos no Rio Grande do Sul 2024-04-16
Deixe seu comentário
Pode te interessar