Terça-feira, 21 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil O caso do militar brasileiro preso com drogas na Espanha tem desencontro de versões

Compartilhe esta notícia:

A Força Aérea Brasileira disse que o militar preso na Espanha partiu do Brasil em missão de apoio à viagem presidencial ao Japão. (Foto: Reprodução/Facebook)

Na cúpula do governo de Jair Bolsonaro, há poucas dúvidas de que a prisão de um militar da Aeronáutica com 39 quilos de cocaína na Espanha poderá revelar um esquema maior de tráfico de drogas.

Mesmo que seja um incidente isolado, na hipótese de o militar ter sido abordado por criminosos devido ao seu acesso a viagens com menor controle burocrático, a preocupação mais aguda é com a exposição das falhas de segurança da Presidência. Ela foi agravada pela cacofonia de versões sobre o episódio ao longo de quarta-feira (26).

Uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo ouviu cinco ex-integrantes de viagens internacionais de presidentes, que foram unânimes nessa crítica. Tuíte presidencial aqui, fala do presidente interino ali, notas acolá. Nenhum relato exato sobre o que aconteceu em Sevilha está disponível.

O presidente interino, Hamilton Mourão, afirmou na manhã de quarta que o taifeiro Manoel Silva Rodrigues fazia parte de uma tripulação que ficaria na cidade espanhola para esperar Bolsonaro voltar do Japão.

Já a Aeronáutica disse à noite que os militares não embarcariam no Airbus de Bolsonaro, que voltaria ao Brasil pelos EUA. Mourão voltou atrás depois. Conforme a Folha de S.Paulo, Bolsonaro ficou irritado com a divulgação que seu vice fizera da versão de que o taifeiro iria embarcar no mesmo avião que ele em algum momento.

Segundo oficiais com conhecimento do voo, o Embraer-190 em que Rodrigues estava parou na Espanha para reabastecimento e levava o chamado Escav (Escalão Avançado), grupo que cuida de burocracias aeroportuárias e precede a chegada do presidente.

Também é incerto o que aconteceu em solo, desconsiderando aí as motivações da equipe que ficou em Sevilha. A FAB não explica o que eles iriam fazer. Uma hipótese provável seria a de voar o próprio Embraer-190 na viagem de volta, para render a tripulação oriunda do Japão na travessia transatlântica.

Segundo reportagem do jornal Diário de Sevilha sobre o caso, Rodrigues foi preso ao tentar deixar o terminal com a bagagem suspeita. Não fica claro se isso ocorreu durante inspeção alfandegária normal e se havia outras pessoas com ele na hora da ação. Afinal, quantos dos 21 militares integrantes do voo de fato desceram da aeronave e por qual motivo?

Sobre a ação em si, não é o caso de descartar a possibilidade de ter havido uma dica dada à polícia local, dado que Sevilha é um conhecido centro distribuidor de drogas da América do Sul na Europa.

tags: cocaína

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

O Ministério da Defesa trata como falha grave de procedimento o embarque de 39 quilos de cocaína em um avião da FAB
Caso de sargento preso está sendo investigado sob sigilo, diz porta-voz da FAB 
Deixe seu comentário
Pode te interessar