Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Cloudy

Tecnologia O WhatsApp é o aplicativo mais usado pelos brasileiros

Compartilhe esta notícia:

As novas regras para o app ainda vão gerar muito debate. (Foto: Reprodução)

O WhatsApp é o aplicativo mais popular entre os internautas brasileiros, segundo estudo feito pelo site Mobile Time em parceria com a Opinion Box. De acordo com a pesquisa, o app de mensagens pertencente ao Facebook é o que consome mais tempo do dia a dia das pessoas, além de ser o que mais abrimos ao longo de 24 horas.

O levantamento feito pelo site posicionou a seguinte pergunta: “Qual é o aplicativo que você abre mais vezes ao longo do dia?”. As três primeiras posições do ranking foram ocupadas por plataformas de Mark Zuckerberg, com o WhatsApp em um espaçoso primeiro lugar (54%), seguido pelo Instagram (14%) e o app oficial do Facebook (11%). Essa mesma ordem se repete na posição dos apps na tela principal do smartphone: o WhatsApp está na primeira página de 56% dos celulares, seguido do Instagram com 45% e o Facebook com 43%.

No mesmo critério, a pergunta “Qual é o aplicativo que você passa mais tempo vendo ao longo do dia?”, o WhatsApp manteve a liderança, embora aqui o posicionamento tenha sido um pouco mais acirrado: o percentual atingido pelo app de mensagens foi de 29%, contra 24% do Instagram e 20% do Facebook. YouTube e Netflix também foram citados pelos respondentes, e até mesmo o jogo “Free Fire” apareceu na lista.

O levantamento conduziu entrevistas com 2.003 brasileiros, entre os dias 6 e 23 de novembro de 2020. Para atender aos parâmetros estabelecidos pela pesquisa, os respondentes deveriam obrigatoriamente ter acesso à internet e pelo menos um smartphone.

Na mira da justiça dos EUA

Enquanto no Brasil o WhatsApp é reconhecido como o app mais popular, nos Estados Unidos a coisa vem tomando rumos bem acalorados de discussão. No começo do mês, uma coalizão formada por legisladores de 48 estados dos EUA abriu um processo contra o Facebook, alegando que a empresa usa de práticas anticompetitivas para obter vantagens injustas no mercado. Paralelamente, a Federal Trade Comission (FTC) abriu um processo similar, acusando a rede social de Mark Zuckerberg de monopólio.

Em ambos os casos, os processos tratam especificamente de aquisições conduzidas pelo Facebook ao longo da última década, com foco especial no WhatsApp – comprado pela empresa em 2014 por US$ 19 bilhões (R$ 97,52 bilhões, na conversão direta) –, e o Instagram, que foi adquirido em 2012 por US$ 1 bilhão (R$ 5,13 bilhões).

Em seu processo, a comissão acusa o Facebook de “jogar na defesa por meios anticompetitivos” após “derrubar” o rival MySpace. “Depois de identificar duas ameaças competitivas significativas à sua posição dominante – Instagram e WhatsApp –, o Facebook passou a reprimir essas ameaças comprando as empresas”, disse a agência, que ainda faz referência a um e-mail de 2008, enviado pelo próprio CEO, Mark Zuckerberg, onde ele afirmava ser “melhor comprar do que competir”.

Uma das possibilidades – o pior cenário para o Facebook, no caso – é que o governo estadunidense force a empresa a se desfazer do WhatsApp e do Instagram, vendendo as operações e tornando-as mais independentes do que são atualmente.

Ainda não se sabe do andamento de ambos os processos, mas a julgar pelo tamanho das ações movidas, é seguro dizer que esse assunto ainda deve levar muito tempo até ver seu fim.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Tecnologia

A Apple planeja entrar no mercado de carro autônomo
Em Porto Alegre, as placas de rua já podem receber antenas para transmissão do sinal 5G de internet
Deixe seu comentário
Pode te interessar