Sexta-feira, 23 de julho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Polícia Oito pessoas são presas em operação contra quadrilha que falsifica, transporta e comercializa agrotóxicos no RS e em mais três Estados

Compartilhe esta notícia:

Na ação, foram apreendidos defensivos agrícolas, produtos químicos, armas de fogo, munições, celulares

Foto: Polícia Civil/Divulgação
Na ação, foram apreendidos defensivos agrícolas, produtos químicos, armas de fogo, munições, celulares. (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

A Polícia Civil deflagrou, nesta terça-feira (22), a Operação Alquimia com a finalidade de desarticular uma organização criminosa que cuja atividade principal é a falsificação, transporte e comercialização de agrotóxicos falsificados.

Foram cumpridos 53 mandados de busca e apreensão e 05 mandados de prisão preventiva em quatro Estados: RS, SP (Ribeirão Preto), MT (Sinop) e BA (Feria de Santana).

No RS as buscas concentraram-se nas cidades de Cruz Alta, Ijuí e Cachoeira do Sul, mas também serão realizadas em São Borja, Santana do Livramento, Pantano Grande, Candelária, Passa Sete, Joia, Bagé, Pejuçara e Santa Cruz.

Em Ribeirão Preto/SP foram cumpridas dez ordens judiciais. Também haverá bloqueio de contas e apreensão de veículos. Oito pessoas foram presas, cinco preventivamente e três em flagrante.

Na ação, foram apreendidos defensivos agrícolas, produtos químicos, armas de fogo, munições, celulares, contratos de locação de imóveis e maquinários, notas promissórias, cheques e diversos documentos probatórios.

O grupo atua há anos no Estado, e tem como principal líder e fornecedor dos falsos indivíduo que reside na cidade de Ribeirão Preto/SP, local onde os produtos são “fabricados” e depois transportados para várias regiões do país, dentre elas o RS.

No Estado, esses produtos são armazenados em depósitos clandestinos nas cidades de Ijuí e Cruz Alta, de onde são repassados a integrantes da organização para serem negociados com os agricultores de outras regiões.

Para falsificar os produtos (de elevado valor de mercado) os criminosos utilizam-se de produtos químicos diversos sem qualquer controle ou cuidado relativos à aquisição, transporte, armazenamento e manipulação desses compostos, provocando danos incomensuráveis ao meio ambiente e à saúde das pessoas.

Além disso, o prejuízo econômico causado aos agricultores são severos, já que os produtos não apresentam eficácia quando aplicados nas lavouras. Alguns criminosos integrantes do grupo também possuem envolvimento com roubos a propriedades rurais e receptação de produtos. Há ainda indivíduos envolvidos com a prática de contrabando.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Polícia

Itália não exigirá máscaras ao ar livre a partir de 28 de junho
Nova empresa contratada pela prefeitura inicia a coleta do lixo domiciliar em Porto Alegre
Deixe seu comentário
Pode te interessar