Sábado, 19 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Mostly Cloudy

Acontece Preço baixo continua sendo um fator decisivo na hora da compra do material escolar

Compartilhe esta notícia:

Proximidade do início de mais um ano letivo leva os pais a procurarem artigos que tenham menor impacto no orçamento familiar

Foto: Arquivo/ Agência Brasil

A proximidade do início de mais um ano letivo no Rio Grande do Sul leva os pais a buscarem as melhores opções para a compra do material escolar de seus filhos em idade escolar. Mantendo um costume já observado pelos lojistas gaúchos nos últimos anos, o preço é o fator determinante no momento da compra de artigos como cadernos, lápis e mochilas, entre outros.

Levantamento realizado pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul – FCDL-RS, mostra que, a exemplo dos anos anteriores, os pais estão pesquisando muito para encontrar o melhor preço, uma vez que o material escolar está cerca entre 8% e 10% mais caro do que em 2019. A elevação é maior em produtos importados como mochilas e estojos, por causa da variação cambial, chegando a ter um incremento que pode chegar aos 15%.

Como o começo de ano é um período atípico, onde as famílias enfrentam obrigações tributárias como IPVA e IPTU e precisam, também, adquirir o material escolar de seus filhos, é importante que sejam observados alguns detalhes na hora de comprar os artigos escolares. Não há necessidade de se fazer estoque dos produtos, uma vez que muitos acabam tendo o preço reduzido a partir de março, a exemplo que acontece em qualquer ramo varejista após a alta sazonal de consumo.

Uma dica importante que a FCDL-RS repassa aos pais das crianças em idade escolar é que busquem fazer a maior parte das compras sem a presença dos filhos, que muitas vezes não entendem as dificuldades financeiras da família e pedem por cadernos e mochilas com personagens da moda, que, geralmente, são mais caros. Um artigo sem ilustração pode custar até 75% mais barato.

Outro conselho importante é procurar artigos que sejam econômicos e que tenham, ao mesmo tempo, maior durabilidade. Para os lojistas venderem mais a recomendação é a oferta de descontos para pagamentos à vista, o que garante um fluxo de caixa maior nesse início de ano.

Os lojistas que atuam no setor de material escolar, por sua vez, estão otimistas e esperam que nesse ano as vendas tenham um crescimento em torno de 10% na comparação com o mesmo período de 2019.

Dicas da FCDL-RS para a melhor compra do material escolar

– A primeira recomendação é que os pais façam a maior parte das compras desacompanhada dos filhos;

– Muitas vezes o barato pode sair caro. É interessante ficar de olho nos produtos importados com preços completamente fora de padrão. Normalmente a qualidade é péssima. O melhor é dar preferência a produtos de fabricação nacional ou com certificação pelo Inmetro;

– Não é necessário estocar material escolar para o ano todo. Existem itens cuja compra pode ser diluída nos próximos meses e, efetivamente a partir de março, é esperado que haja queda de preços no material escolar, a exemplo do que acontece em qualquer ramo varejista após a alta sazonal de consumo;

– Importante pesquisar os preços antes de comprar.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Acontece

Lojas Benoit é apoiadora do projeto Envelhecimento Jovem de Montenegro
Braskem Labs abre inscrições para a edição 2020
Deixe seu comentário
Pode te interessar