Segunda-feira, 13 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
12°
Mist

Colunistas Quem sabe?

Compartilhe esta notícia:

(Foto: Reprodução)

As mesmas palavras. Mas com ordem de colocação diferente. É o caso de “só saia de máscara” e “saia só de máscara”. A diferença? A primeira dá o recado claro: não deixe de usar máscara ao sair. A segunda permite outra leitura. Saia nu, mas use máscara.

Bem-vindo

Ufa! O Congresso aprovou o socorro de R$ 60 bilhões a estados e municípios. Mas o presidente enrolou pra sancioná-lo. Na quinta, finalmente, oba! O governador do Piauí comemorou: “A ajuda é pra lá de bem-vinda”. Nota 10. Bem-vinda se escreve assim – com hífen.

Reprise indigesta

O Rio amanheceu surpreso. Estava nas ruas a Operação Placebo, que apura fraudes em contratos ligados à Saúde. Houve ou não houve mau uso do dinheiro público? Enquanto a resposta não vem, vale a dica. Placebo quer dizer falso medicamento. Ele tem a cara do remédio verdadeiro, mas verdadeiro não é. Quando a doença é psicológica, viva! O enfermo melhora com o faz de conta.

Faz falta?

Greta Thunberg abraçou a causa do meio ambiente. A garota sueca ganhou manchetes em Europa, França e Bahia. Disputou até o Prêmio Nobel da Paz. Ela apareceu na capa de um livro exibindo este cartaz: “Nossa casa está em chamas. Ninguém é pequeno demais para fazer a diferença”.

Alguns sentiram falta do advérbio “não” antes de “fazer”. Ele é necessário? No caso, parece que não. Valem outros exemplos: Ninguém é rico demais para abarcar toda a riqueza do planeta. Ninguém é louco demais para rasgar dinheiro.

Pânico do ministro

O ministro da Educação disse que os togados do STF deveriam ir pra cadeia. O Supremo intimou-o a depor. Uiiiiiiiiiiiiiiiiiiii! Abraham Weintraub tremeu nas bases. O ministro da Justiça o socorreu. Entrou com habeas corpus preventivo pra safar Sua Excelência. O que é isso? É o nome da lei inglesa que garante a liberdade individual. Em bom português quer dizer que tenhas o corpo livre para te apresentares ao tribunal.

História antiga

Em 1215, os nobres ingleses exigiram o controle legal da prisão de qualquer cidadão. Naquele tempo, o juiz decidia de forma sumária sobre a legalidade ou não de prender alguém. Excessos eram pra lá de comuns. Com o habeas corpus, a história mudou de enredo. O advogado pode pedir a liberdade provisória do cliente para ele responder a processo fora da prisão.

Lá e cá

Expressões latinas não têm acento nem hífen. Se aparecer um ou outro, elas perdem a originalidade. Entram no time dos compostos nacionais. É o caso de via crucis e via-crúcis. Habeas corpus abusou. A forma reduzida se naturalizou portuguesa – hábeas.

Leitor pergunta

Não agressão ou não-agressão? – Sandra do Canto, Guarujá.

Antes, o não era um rolo só. Ora aparecia seguido de hífen. Ora sem. A reforma ortográfica pôs fim à incerteza. Cassou o tracinho: não agressão, não alinhamento, não fumante, não beligerante, não alinhamento.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas

Cloroquina, não!
Covid à Brasileira
Deixe seu comentário
Pode te interessar