Quinta-feira, 09 de dezembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Light Drizzle

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Cultura Saiba como criar barreiras para que crianças não assistam a conteúdos impróprios

Compartilhe esta notícia:

Plataformas digitais vem se adaptando para evitar que crianças tenham acesso a conteúdos impróprios. (Foto: Reprodução)

Uma carta aberta sobre os riscos provocados pela série “Round 6” no público infanto-juvenil, enviada aos pais de alunos da escola Aladdin, no Pechincha, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, viralizou em grupos de WhatsApp nesta semana e ganhou o apoio de pediatras e profissionais da saúde.

Encaminhada com frequência no aplicativo, o documento cita preocupação com o fato de muitas crianças estarem assistindo ao conteúdo de “violência explícita, tortura psicológica, suicídio, tráfico de órgãos, cenas de sexo, pederastia e palavras de baixo calão”.

Para evitar que as crianças tenham acesso a conteúdos impróprios, as plataformas digitais vem se adaptando para facilitar e ajudar os pais nessa missão. Veja como acessar conteúdos infantis e monitorar as crianças nas principais mídias.

Streamings

Além do controle por classificação indicativa, algumas plataformas de streaming dão a opção de acessar o modo infantil com conteúdos já previamente selecionados. Para acessá-los é fácil, basta clicar na opção “Infantil” junto aos perfis. Apenas a HBO Max e o Star + não possuem essa opção.

YouTube

O YouTube também possui a opção “YouTube Kids”. No navegador é só trocar a opção no ícone à direita e em dispositivos móveis é preciso baixar o aplicativo “YouTube Kids”.

TikTok

Desde janeiro, as contas de usuários do aplicativo com idade de 13 a 15 anos têm automaticamente seus perfis configurados como privados, o que significa que somente poderão ver seus vídeos pessoas autorizadas pelo titular da conta.

O TikTok também desativou o download de vídeos criados por menores de idade e não incluirá mais essas contas como parte de suas sugestões, movidas por algoritmos, de forma automática.

Além das mudanças, também criou um recurso chamado Family Pairing, que permite que os pais monitorem as contas de seus filhos.

Para ativar, os pais precisam criar suas próprias contas no aplicativo e precisam fazer com que os filhos concordem em ter suas contas vinculadas por meio da função. Depois de concordarem, os pais devem escanear um código QR da conta TikTok de seus filhos.

O passo a passo é: Abra o TikTok em ambos os telefones; Vá para o perfil e depois para as configurações no canto superior direito; Role para baixo até Sincronização Familiar; Toque continuar e selecione se o telefone pertence ao adulto ou ao adolescente; Você terá que escanear um código QR em um telefone com o outro para vincular as contas; Agora, o adulto pode acessar os recursos de segurança protegidos por senha escolhida por ele.

As crianças podem desativar o recurso de emparelhamento familiar a qualquer momento, mas os pais recebem uma notificação.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cultura

Abdulrazak Gurnah, da Tanzânia, vence o Prêmio Nobel de Literatura 2021
Quem gostou de receber menos mensagens durante o apagão pode prolongar suas “férias” do WhatsApp
Deixe seu comentário
Pode te interessar