Terça-feira, 26 de outubro de 2021

Porto Alegre

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Acontece Simers encabeça ação de entidades médicas para envio à Câmara Federal de Carta Aberta contra o uso indiscriminado de Canabidiol

Compartilhe esta notícia:

O encontro virtual ocorreu nessa última terça-feira (14). (Foto: Divulgação/ Simers)

No início desta semana, integrantes do Núcleo de Psiquiatria do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) e entidades médicas do Estado, se reuniram para traçar estratégias sobre o envio de uma Carta Aberta à Câmara Federal contra o Projeto de Lei 399/15, que “permite o cultivo domiciliar da maconha (cannabis sativa) para fins medicinais e a comercialização de medicamentos que contenham extratos, substratos ou partes da planta”.

Participaram do encontro virtual: o presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (Cremers), Carlos Isaia Filho; o diretor de exercício profissional da Associação Médica do Rio Grande do Sul (Amrigs), Ricardo Moreira Martins, e o presidente da Academia Sul-Rio-Grandense de Medicina, Luiz Lavinsky. A opinião com relação à carta foi unânime, todos os participantes manifestaram apoio ao Simers e afirmaram estar em total acordo com o conteúdo do documento.

Segundo o Psiquiatra e Coordenador do Núcleo de Psiquiatria do Simers, Fernando Uberti, só existe evidência científica conclusiva do Canabidiol para duas doenças muito específicas, não havendo conclusão sobre uso eficaz e seguro em outras patologias.

Ainda, de acordo com Uberti, o canabidiol é apenas um dos componentes da maconha, a qual é formada por diversos outros componentes que podem ser muito prejudiciais à saúde. “A ideia de que exista um uso medicinal da maconha é fantasiosa. E o que mais nos preocupa nesta narrativa é a redução da percepção de riscos sobre a maconha que isso causa nas pessoas, ignorando a associação comprovada da substância com quadros graves, como esquizofrenia”, salienta.

Após a assinatura das principais entidades médicas do Estado, a carta aberta deve ser encaminhada à bancada gaúcha na Câmara Federal a fim de que os deputados tenham conhecimento e base técnica para um necessário posicionamento contrário ao projeto.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Acontece

Hospital Moinhos de Vento recruta pacientes com histórico de AVC Hemorrágico
Fronteiras ganharão mais horários para parametrização
Deixe seu comentário
Pode te interessar