Sábado, 18 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Fair

Esporte Marta pode ter quebrado regra da Fifa no jogo contra Itália

Marta pode ter infringido regra da Fifa por jogar usando batom. (Foto: Reprodução)

No último jogo do Brasil na Copa do Mundo de Futebol Feminino, Marta foi o grande destaque em campo não apenas por ter quebrado o recorde de artilharia em mundiais e garantido a classificação da Seleção Feminina para as oitavas de final, mas também por ter jogado a disputa usando batom – algo que ela, normalmente, não faz. Apesar da atitude ter sido vista de forma positiva pelo público e da maquiagem ter ficado ótima na nossa camisa 10, a jogadora pode ter quebrado uma regra ao tomar a decisão de usar o batom em campo.

O que acontece é que a Fifa, a organização responsável por dirigir as associações de futebol, tem uma regra que não permite que outras marcas, além das seis patrocinadoras oficiais, façam propagandas de produtos durante seus eventos esportivos. De acordo com o regulamento, existem dois tipos do chamado “marketing de emboscada”. Tem aquele que ocorre por associação direta, ou seja, quando a empresa faz uma tentativa de relacionar seu nome ao torneio e faz o público acreditar que existe uma parceria com a Fifa. E tem a por “intrusão”, que ocorre quando a companhia aproveita a audiência da competição para convencer a atleta a divulgar o seu produto, mesmo que isso aconteça indiretamente.

Marta é patrocinada pela Avon, marca responsável pelo batom que a jogadora usou durante o jogo contra a Itália. Na teoria, a atleta pode ter cometido o segundo tipo de marketing proibido pela Fifa. Em contrapartida, o empresário dela garante que essa não foi a intenção. “Em nenhum momento a Marta arquitetou ou provocou qualquer ação para com o endosso direto de uma determinada marca ou produto. O uso do batom é um direito de âmbito pessoal de uma atleta fazer uso ou não”, Fabiano Farah disse, em entrevista ao UOL Esporte.

De fato, Marta só falou sobre a marca quando foi questionada por jornalistas. Nessa situação, a jogadora falou o nome da cor que pode ser encontrada nas lojas e ainda esfregou os lábios para as câmeras, mostrando que o batom não saía facilmente – o que é uma forma de propaganda positiva. Após o término do jogo, a Avon publicou a mensagem “Nossas garotas deram e o batom Power Stay também marcou um golaço! Fiquem de olho que em julho ele vem aí” no Instagram Stories. A marca, contudo, não citou o nome da jogadora.

Caso a Fifa considere que houve uma irregularidade real na ação, Marta não seria punida, mas a marca pode ser notificada.

 

Voltar Todas de Esporte

Compartilhe esta notícia:

Sem Neymar, o Brasil despenca em aproveitamento contra seleções sul-americanos nesta década
Cientistas já descobrem sinais de Parkinson no cérebro até 20 anos antes dos sintomas
Deixe seu comentário
Pode te interessar