Últimas Notícias > Notícias > Brasil > O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, fez um apelo para que os caminhoneiros voltem ao trabalho

Para compreender melhor por que uma pessoa pode se tornar violenta após consumir bebida alcoólica, pesquisadores recorreram à ressonância magnética

A ingestão de álcool é recorrentemente relacionada a comportamentos agressivos. (Foto: Reprodução)

A ingestão de álcool é recorrentemente relacionada a comportamentos agressivos. Para compreender melhor por que uma pessoa pode se tornar violenta após consumir bebida alcoólica, pesquisadores recorreram à ressonância magnética para medir o fluxo sanguíneo no cérebro nesse tipo de situação. Após a ingestão de apenas dois drinques, os cientistas puderam notar, a partir das imagens analisadas durante o experimento, mudanças no funcionamento do córtex pré-frontal, área relacionada ao planejamento de comportamentos e pensamentos complexos, expressão da personalidade, tomada de decisões e comportamento social. Essa região do cérebro está envolvida no aumento do nível de agressividade das pessoas. As informações são do jornal O Globo.

O estudo foi liderado por Thomas Denson, pesquisador da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, e foi publicado no jornal científico “Cognitive, Affective, & Behavioral Neuroscience”, publicação oficial da Psychonomic Society.

As evidências trazidas pela pesquisa corroboram diversas teorias desenvolvidas nas últimas décadas. De acordo com elas, a explicação para nos tornarmos violentos após a ingestão de bebidas alcoólicas estaria em uma alteração no funcionamento do córtex pré-frontal. No entanto, a ausência de imagens neurais dificultava o embasamento dessa prerrogativa. Ainda faltava saber quais outras regiões do cérebro seriam impactadas pelo uso do álcool.

Para realizar o estudo, Denson e sua equipe contaram com a participação de 50 rapazes jovens e saudáveis. Destes, 23 receberam dois drinques contendo vodca. Os outros 27 ganharam doses de placebo, ou seja, bebidas sem nenhum teor alcoólico.

Os jovens, com idades entre 18 e 30 anos, foram convocados para participar da adaptação de uma atividade chamada “Paradigma de agressividade de Taylor” (em tradução livre), em que, a partir de uma competição, aquele que vence pode escolher como “punir” o seu oponente. Esta é uma tarefa que vem sendo utilizada regularmente nos últimos 50 anos para observar níveis de agressividade em resposta a provocações. Durante a atividade, os participantes foram monitorados por ressonância magnética.

Os cientistas puderam então examinar que regiões cerebrais eram ativadas quando os voluntários realizavam a tarefa proposta e no momento em que se comportavam de forma mais agressiva. O experimento com ressonância magnética ainda permitiu aos pesquisadores comparar a diferença entre as imagens de participantes que haviam consumido álcool com aqueles que tinham ingerido doses de bebida sem teor alcoólico.

Efeito

Os cientistas dizem ter chegado a alguns resultados importantes. O primeiro deles é que o álcool reduziria a ativação do córtex pré-frontal e dos sistemas límbico e de recompensa, o que poderia ter relação com o comportamento agressivo. O segundo aponta que o álcool pode moderar a relação entre o córtex pré-frontal e a agressividade.

Outro ponto levantado pela pesquisa indica que as respostas neurais dos participantes não foram influenciadas por provocações feitas durante a experiência. Ainda assim, quando os participantes se comportavam de modo agressivo, havia uma depressão, entre aqueles que haviam consumido bebida alcoólica, na atividade do córtex pré-frontal. Esse efeito “amortecedor” também foi visto nas áreas do cérebro que estão envolvidas no sistema de recompensa. Além disso, uma atividade aumentada também foi notada no hipocampo, a parte do cérebro associada à memória.

“Embora tenha havido um efeito geral de amortecimento no córtex pré-frontal, mesmo com uma dose baixa de álcool, observamos uma relação significativa entre a atividade dessa área do cérebro e a agressividade relacionada ao consumo de álcool”, explicou Denson. “Essa região pode ser responsável por diferentes comportamentos, dependendo se a pessoa está sóbria ou alcoolizada.”

De acordo com pesquisadores, os resultados são consistentes diante de um grande material que já existe sobre base neural de agressividade e sobre como as regiões do cérebro são acionadas pelas mudanças no córtex pré-frontal, no sistema límbico e em regiões ligadas ao sistema de recompensa.

“Nós incentivamos investigações futuras em maior escala sobre a relação neural entre agressividade ligada ao álcool e a ingestão de doses de álcool mais fortes. Isso poderia, eventualmente, reduzir substancialmente os danos relacionados ao consumo de bebidas”, acrescentou o pesquisador.

Deixe seu comentário: