Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Governo estuda tirar Ancine da gestão do Fundo Setorial do Audiovisual

Promotoria de Paris tem poder para investigar Neymar

Neymar estaria com tanta vontade de vestir as cores do time catalão que aceitaria uma redução salarial enorme. (Foto: Reprodução)

A Promotoria de Paris tem a prerrogativa de abrir uma investigação própria sobre o episódio em que o atacante Neymar é acusado de estuprar uma mulher brasileira em um hotel da capital francesa. O caso teria acontecido em 15 de maio, em um hotel próximo ao Arco do Triunfo.

Segundo fontes da Justiça da França, porém, o fato de a queixa da suposta vítima não ter sido registrada na cidade torna o envolvimento do Ministério Público local menos provável. Em teoria, se um crime acontece no país, ainda que sem envolver cidadãos franceses, os promotores estão habilitados a inquirir sobre ele – o mesmo vale para incidentes com franceses em solo estrangeiro.

No caso da acusação a Neymar, porém, não há algo como um trabalho de perícia que só forças in loco possam efetuar. O que pode ocorrer é a Promotoria francesa receber um pedido de colaboração da Justiça brasileira, a qual buscaria ajuda, por exemplo, para recolher imagens do circuito interno do hotel em que o crime teria acontecido. Neymar chegou à França em agosto de 2017, quando o PSG (Paris Saint-Germain) o tornou o jogador mais caro do futebol mundial. Em valores atuais, o clube pagou R$ 969,7 milhões para tirá-lo do Barcelona.

Desde que estreou na equipe, o Paris Saint-Germain conquistou duas vezes o título francês, mas falhou no objetivo maior: vencer a Champions League. Neymar atravessou bons momentos, mas também causou controvérsias, como na discussão com o uruguaio Cavani sobre quem deveria ser o cobrador de pênaltis do time. Na eliminação do torneio europeu na última temporada, contra o Manchester United, o brasileiro, lesionado, não atuou, mas tentou invadir o vestiário da arbitragem após a derrota em casa. Foi suspenso por três partidas para a próxima temporada.

Desde sábado (1º), a imprensa francesa acompanha com atenção a acusação contra Neymar e suas repercussões. O vídeo em que o jogador se defende da acusação foi tema de uma reportagem no equivalente francês ao Jornal Nacional, o 20 Heures do canal TF1, na noite de domingo (02).

O jornal impresso Le Parisien, que sempre segue de perto as notícias relacionadas ao Paris Saint-Germain, publicou sete textos sobre o assunto em seu site, desde o fim da noite de sábado (1), quando surgiu a informação de que o jogador era alvo de um boletim de ocorrência registrado em São Paulo.

Ao lado de Donald Trump e Roland Garros, o tópico Neymar é um dos destaques do cabeçalho da página do Parisien. No site do jornal esportivo L’Équipe, são nove textos publicados nas últimas 48 horas, um deles destacando “também um risco econômico” para o jogador na esteira da acusação. O título faz referência aos diversos contratos de publicidade e representação que o atleta tem com marcas de material esportivo, produtos cosméticos e telecomunicações, entre outros.

Na noite de segunda-feira (03), um dos temas da mesa-redonda do canal de TV do Équipe era “O PSG deve começar a escutar o Barcelona sobre [a volta para lá de] Neymar”. Discutia-se o quão decisivo o atacante podia ser entre as quatro linhas (e para o projeto do clube parisiense de se tornar uma potência europeia), mas nenhum dos participantes (quatro homens e uma mulher) comentou o noticiário relacionado a sua atuação fora dos gramados.

Deixe seu comentário: