Terça-feira, 18 de Maio de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Cloudy

Brasil 70% dos profissionais de saúde sentem despreparo para enfrentar a pandemia

Compartilhe esta notícia:

Uma das razões apontadas pelos profissionais é o negacionismo na população. (Foto: Reprodução)

Pouco mais de um terço dos profissionais de saúde brasileiros, 31,2%, já foi infectado pela covid-19 nos 13 meses da pandemia no País. Quase todos, 96,6% dizem conhecer algum colega com suspeita ou diagnóstico da doença.

Esses são apenas dois dos resultados presentes no relatório da quarta fase de uma pesquisa voltada para esse público realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz e a Rede Covid-19 Humanidades, de antropólogos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Outros resultados não são nada animadores. Sete a cada dez desses profissionais disseram não se sentir preparados para o enfrentamento da crise. A razão mais mencionada para esta sensação, em 20% das vezes, é a “a situação política e má condução da pandemia pelo governo federal, além do negacionismo disseminado entre a população”.

Em compensação, 86,8% dos participantes disseram já ter recebido pelo menos a primeira dose de uma vacina, o que limita o horizonte da circulação do vírus nesse público.

Ainda assim, quando o tema é testagem, 38,3% disseram que não receberam materiais de testagem do serviço e 46,3% informaram que isso aconteceu uma ou poucas vezes. A testagem, lembra o estudo, tem sido estratégia primária de controle da transmissão no mundo, mas não foi priorizada no Brasil.

O levantamento foi feito por meio de questionários on-line respondidos por 1.829 profissionais de saúde de todo o País. O universo de entrevistados foi composto por agentes comunitários de saúde e agentes de combate a endemias (51,7%), enfermeiros (17,2%), médicos (10,8%) e outros, como psicólogos e gestores (20,3%).

Entre os respondentes, 80,2% disseram ter a saúde mental afetada pela pandemia, mas só 19% afirmaram ter recebido suporte psicológico. Em média, 87,6% dos profissionais de saúde sentem medo da covid-19, parcela que é maior entre agentes de saúde (90,1%) e menor, mas ainda relevante entre médicos (78,8%).

“A ameaça “invisível”, a imprevisibilidade da doença e o iminente colapso do sistema são narrados pelos(as) respondentes como principais catalisadores das sensações de insegurança e o medo de contaminação – não só sua, mas de entes queridos como familiares, amigos(as) e colegas de trabalho”, detalha o relatório.

Entre os 69,9% que se disseram “despreparados” para lidar com a crise, há divergências regionais. Essa sensação de despreparo é maior nas regiões Nordeste (76%) e Norte (75,6%), se comparado às demais – Centro Oeste, 69,7%; Sul, 70,2%; e Sudeste, 60,6%.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

O ritmo de aplicação da 1ª dose contra o coronavírus despenca no Brasil. Só 12,5% da população recebeu o imunizante até agora
O Brasil é o país das Américas com mais mortes por coronavírus em relação à população
Deixe seu comentário
Pode te interessar