Segunda-feira, 08 de Março de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Partly Cloudy

Tecnologia A Apple obtém economia bilionária ao vender o iPhone sem carregador

Compartilhe esta notícia:

Empresa teria economizado cerca de R$ 23 por aparelho, o que totalizaria o equivalente a R$ 1,4 bilhão. (Foto: Reprodução)

Retirar acessórios da caixa dos celulares após o lançamento do iPhone 12 pode ter representado uma economia significativa para a Apple. De acordo com a consultoria de mercado Counterpoint Research, a empresa poupa cerca de US$ 4,20 (R$ 23 no câmbio de hoje) por unidade ao não incluir o adaptador de tomada e fones de ouvido na embalagem dos smartphones.

Calcula-se que a fabricante tenha vendido aproximadamente 63 milhões de aparelhos somente no final do ano passado, o que representaria uma economia total de US$ 264 milhões (R$ 1,4 bilhão em conversão direta).

O iPhone 12 foi anunciado em outubro do ano passado sem fones de ouvido e plugue de tomada, mas a estratégia também vale para outros smartphones da Apple. As caixas dos aparelhos passaram a vir apenas com um cabo USB-C – Lightning. Consumidores que não tiverem as peças de compras anteriores precisarão adquirir os acessórios separadamente.

De acordo com a empresa presidida por Tim Cook, a medida teria sido adotada como parte dos esforços para preservar o meio ambiente. A companhia alegou que muitas pessoas já têm carregadores e fones de ouvido em casa e que a retirada ajudaria a reduzir os impactos da emissão de carbono. No entanto, a decisão causou polêmica e foi alvo de críticas tanto de usuários quanto de órgãos de defesa ao consumidor.

Embora a Apple tenha economizado com a retirada dos acessórios, a pesquisa aponta que a nova linha custou 21% a mais para ser produzida do que o iPhone 11, lançado em 2019.

De acordo com cálculos feitos por um jornal japonês em parceria com uma empresa especializada em desmontar eletrônicos, as peças do iPhone 12 Pro de 128 GB teriam um custo total equivalente a R$ 2.044, enquanto o modelo iPhone 12 Pro Max sairia por cerca de R$ 2.225. Os valores saltam aos olhos, considerando que os aparelhos foram lançados no Brasil por R$ 9.999 e R$ 10.999, respectivamente.

Ainda que o iPhone 12 tenha tido custo maior para ser fabricado do que o antecessor, o iPhone 11 Pro foi lançado por R$ 7.799 na versão de 256 GB e o iPhone 11 Pro Max por R$ 8.399 na versão de 256 GB, valores bem abaixo em comparação com as cifras praticadas na safra de 2020.

Rumores dão conta de que a Apple também poderá retirar o cabo USB da embalagem no futuro. Além disso, o analista Ming-Chi Kuo, conhecido por acertar previsões da cadeia produtiva da empresa, também acredita que as câmeras dos novos smartphones da fabricante não devem sofrer grandes mudanças até 2023.

A Samsung lançou nesta semana o Galaxy S21, Galaxy S21 Plus e Galaxy S21 Ultra e seguiu a mesma estratégia da Apple. A rival sul-coreana deixou de incluir o carregador e fones de ouvido na caixa e também alegou preocupações com o meio ambiente. A companhia ainda afirmou que parcela dos usuários passou a optar pela tecnologia de recarga sem fio.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Tecnologia

WhatsApp, Signal e Telegram: as diferenças entre os aplicativos em relação à privacidade
Google e Facebook fizeram acordo secreto na área de anúncios digitais. Entenda o caso
Deixe seu comentário
Pode te interessar