Sábado, 12 de Junho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Fair

Flávio Pereira Acredite: em Nova York, 84% dos infectados estavam confinados em casa

Compartilhe esta notícia:

Governador do Estado de Nova York, Andrew Cuomo. (Foto: Reprodução de vídeo)

O importante depoimento do governador de Nova York, Andrew Cuomo, adepto do confinamento, citado pelo ex-ministro Osmar Terra, e mencionado ontem neste espaço, foi ignorado pela mídia brasileira. Hoje, o colunista Guilherme Fiúza aborda o assunto.

“Segundo o governador do Estado americano mais atingido pela epidemia de coronavírus, 84% das pessoas que estão hoje hospitalizadas com Covid-19 estavam cumprindo as medidas de confinamento. Vamos repetir, porque você está achando que leu errado: apenas 16% dos pacientes de coronavírus internados hoje na rede hospitalar de Nova York não estavam na quarentena horizontal. Andrew Cuomo, que é adepto fervoroso do fique em casa, e opositor de Donald Trump, informou com todas as letras, estar chocado (nas palavras dele mesmo), que a imensa maioria dos doentes de Covid-19 estava em casa.”

As poucas alternativas para a eleição deste ano

Com medo de perder o cobiçado Fundo Eleitoral, a maioria dos partidos silencia quanto à possibilidade de adiamento maior das eleições municipais deste ano, devido às dificuldades criadas pela pandemia do covid-19. Lideres partidários e potenciais candidatos estão impedidos de movimentação, devido às políticas de isolamento, que acena até mesmo com a possibilidade de prisão. Estima-se em todo o país, 750 mil candidatos para as eleições agora de 2020, somente para as eleições municipais.

Calendário leitoral já comprometido

O calendário eleitoral está visivelmente comprometido. Filiações, transferências de domicílio, mobilização para arregimentar candidatos às prefeituras e Câmaras de Vereadores mesmo com o funcionamento do sistema virtual do TSE, ficaram prejudicados devido à dificuldade do contato físico com os eleitores para a promoção de encontros partidários, algo comum neste período.

Eleições em dois dias?

Fala-se em dois dias de eleição, separando grupos de risco dos demais eleitores. E fala-se em prorrogação por dois meses da eleição de outubro, jogando o segundo turno, onde isso se fizer necessário, para o final deste ano.

TSE teme “inferno gerencial”

O futuro presidente do TSE, ministro Luis Roberto Barroso, preocupado com o excesso de trabalho que a prorrogação das eleições para 2022 traria, recusa a alternativa da prorrogação por período mais longo. Barroso já disse semana passada, que unificar as eleições municipais e nacionais traria um “inferno gerencial” ao TSE. O ministro já afirmou em diversas ocasiões ser contra o adiamento das eleições municipais para 2022, o que coincidiria com o pleito para a escolha de presidente, governadores, senadores, deputados federais e estaduais. Como se vê, tudo é possível.

Serenata para homenagear profissionais da saúde

Nesta terça-feira, dia 12 de março, às 13h, um grupo de Servidores da Polícia Civil fará uma serenata para homenagear os profissionais da assistência e todos aqueles que estão na linha de frente no enfrentamento à Covid-19 do Hospital Ernesto Dornelles. Para evitar aglomerações e manter os cuidados e as medidas de prevenção, a ação será transmitida pelo perfil do HED no Instagram “instagram.com/hedsaude”.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Flávio Pereira

Osmar Terra analisa dados e insiste: “quarentena é inútil”
Batalhões Ambientais da Brigada Militar comemoram 15 anos.
Deixe seu comentário
Pode te interessar