Quarta-feira, 15 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
Fair

Brasil “Enem não é para polemizar”, afirma o ministro da Educação

Compartilhe esta notícia:

Weintraub disse que, antes da realização das provas, não teve acesso a nenhuma questão. (Foto: Luis Fortes/MEC)

Ao comentar a ausência de questões sobre o regime militar (1964-1985) no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse que o objetivo do exame “não é dividir, nem polemizar, nem doutrinar”.

“A gente já pode começar falando em regime militar, ditadura militar. Essa é uma discussão que eu acho que a gente não vai caminhar para nenhum lugar”, respondeu o ministro ao ser questionado sobre o assunto. Weintraub afirmou que, antes da realização das provas, não teve acesso a nenhuma questão: “E se não caiu [questões sobre o regime militar], eu não participei das escolhas das questões”.

Em linha com o discurso do ministro, o presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), Alexandre Lopes, declarou que o exame busca cobrir toda a base curricular do ensino médio sem gerar polêmicas.

No domingo (03), os estudantes tiveram de responder a 90 questões distribuídas entre as áreas de linguagens (língua portuguesa, inglês ou espanhol e literatura), geografia e história. Também foi aplicada uma redação com o tema “Democratização do Acesso ao Cinema no Brasil”.

Cerca de 3,9 milhões de inscritos compareceram aos locais das provas em todo o Brasil. A abstenção foi de 23% – a menor da história, segundo o ministro. Há registros de 376 pessoas eliminadas por problemas de comportamento e por se recusarem a fazer a análise biométrica, por exemplo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Presidente do Supremo enfrenta pressões para voto decisivo sobre prisão após condenação em segunda instância
Sine oferece 243 vagas de emprego em Porto Alegre
Deixe seu comentário
Pode te interessar