Quarta-feira, 15 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
Fair

Cláudio Humberto Maia já fez 11 viagens de jato da FAB no recesso

Compartilhe esta notícia:

Tancredo e a pneumonia

Foto: Enio
Enio: Tancredo e a pneumonia. (Foto: Reprodução)

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, não é só recordista em uso e abuso de jatinhos da Força Aérea Brasileira (FAB) apenas em 2019. Também é a autoridade que mais viajou nos jatos da FAB durante o recesso parlamentar: foram 11 vezes. Em dezembro, só entre os dias 22 e 25, três viagens. A última de 2019, em jatinho oficial, foi para Campinas (SP). Em 2020, pleno recesso, já são 8 passeios pela FAB.

Rodrigo Milhas

Rodrigo Maia viajou 238 vezes em jatinhos da FAB, durante o ano de 2019. Número superior ao total de dias de trabalho no parlamento.

Reincidência?

No recesso de julho do ano passado, o presidente da Câmara foi para Campinas, onde pegou um avião com a família para os EUA.

Destinos preferidos

Maia realizou três viagens para Brasília, três para o Rio de Janeiro, onde reside, e outras duas para São Paulo.

Ano novo estrelado

O viajante-mor da República passou ano novo em Miami, com a família e amigos. Ao menos abriu mão do desconforto do jatinho da FAB.

Distribuidoras tentam golpe contra venda direta

Perto de perder o “cartório” que as tornou bilionárias, as distribuidores de combustíveis armaram um novo golpe, tentando “melar” a decisão do presidente Jair Bolsonaro de implantar no País a venda direta de etanol, pelos produtores, aos postos. O golpe é criar “distribuidoras somente de etanol”, com o objetivo malandro de perpetuar esse negócio oportunista, que prospera na exploração dos consumidores.

Maia prometeu

Bolsonaro obteve do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a promessa de votar projetos que autorizem imediatamente a venda direta.

Lobby poderoso

Há projetos autorizando a venda direta, tanto na Câmara quanto no Senado, mas o lobby das distribuidoras tem dificultado a votação.

Cartório vergonhoso

As distribuidoras também encarecem o preço final da gasolina e do diesel: como usinas, as refinarias são proibidas de vender aos postos.

Vai lá, Witzel

O governador do Rio de Janeiro deveria aprender em uma ex-colônia inglesa nos cafundós da América Central chamada Belize. Lá, a água da torneira é tratada, própria para consumo, limpíssima e saudável.

Lei do cão

No DF, há uma Lei do Carnaval que parece brincadeira: obriga o governo a distribuir dinheiro público com blocos carnavalescos e escolas de samba, algumas risíveis. São 51 blocos e 21 escolas na fila.

Projetos do atraso

Deputados do Psol apresentaram um projeto-sanguessuga para tentar retirar os Correios da lista de estatais a serem privatizadas. Eles insistem que a estatal “não dá prejuízo”, apesar do buraco bilionário.

Falta posição

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, disse que “decisão judicial não se contesta” e vai esperar a o plenário do STF para se posicionar sobre o juiz das garantias. O Congresso que ele preside aprovou a lei.

Mais golpe no Brasil

A Polícia Federal foi às redes esclarecer que a emissão de passaportes é feita exclusivamente pelo site da PF. A denúncia é que outros sites prometem “assessoria”, mas buscam só os documentos do cidadão.

Mordomias capixadas

O deputado estadual Dr. Hércules (MDB) acionou o Ministério Público Federal para mandar fiscalizar a utilização de veículos oficiais por parte de órgãos federais no Espírito Santo e em outros estados.

Sem propósito

A Organização Mundial da Saúde já descartou qualquer tipo de pandemia em relação ao coronavírus. Mas o Senado, de férias ainda por duas semanas, vai realizar em fevereiro audiência pública do tema.

Vietnã, 47

Há 47 anos, os Acordos de Paz de Paris eram assinados pelo governo dos Estados Unidos, e os governos do Vietnã do Sul e do Norte, além do governo revolucionário provisório, os vietcongs. Foi o fim da guerra.

Folga de folgados

O mês de fevereiro já começa esta semana, mas o Congresso só volta ao batente na semana que vem.

PODER SEM PUDOR
Tancredo e a pneumonia

A Câmara discutia em 1974 a cassação do deputado Francisco Pinto (MDB-BA), por suas críticas ao ditador Augusto Pinochet. Ernesto Geisel mandou o caso ao Supremo Tribunal Federal, que condenou Chico Pinto e a mesa da Câmara o cassou, num episódio vergonhoso. Tancredo Neves ouviu um deputado da Arena argumentar que não foi o AI-5, mas o STF, que o cassou. Tancredo reagiu contando uma história ocorrida em sua São João Del Rey: “Morreu o vizinho de um compadre meu. Um homem bom, trabalhador, honrado. Morreu de pneumonia, coitado. De madrugada, um parente dele chegou de viagem e perguntou à viúva: ‘Ele morreu de pneumonia simples ou dupla, Mariazinha?’ Ela respondeu, chorando: ‘Simples’. E ele: ‘Ah! Ainda bem!’”.

Com André Brito e Tiago Vasconcelos

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cláudio Humberto

Pista livre com apenas um obstáculo
Executivo terá maioria garantida no plenário
Deixe seu comentário
Pode te interessar