Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
28°
Partly Cloudy

Dicas de O Sul Ospa lança Temporada Artística 2020

Compartilhe esta notícia:

A regência do concerto de abertura é de Evandro Matté, maestro e diretor artístico da orquestra.

Foto: Divulgação/Sedac
A regência do concerto de abertura é de Evandro Matté, maestro e diretor artístico da orquestra. (Foto: Divulgação/Sedac)

A Temporada Artística 2020 da Ospa (Orquestra Sinfônica de Porto Alegre) busca refletir a diversidade temática, a renovação e o compromisso histórico que acompanham a orquestra há 70 anos. Repleta de novidades, a programação conta com apresentações especiais, projetos inéditos, maestros e solistas internacionais e uma agenda completa, que celebra 250 anos de Beethoven, 70 anos de Celso Loureiro Chaves e homenageia os 100 anos sem Alberto Nepomuceno. Para isso, no calendário, serão mantidas as séries já tradicionais da Ospa (Interior, Araújo Vianna, Didáticos, Ospa Jovem, Banda Sinfônica, Música de Câmara, Coro Sinfônico e Igrejas), mas haverá uma reformulação na principal, Série Pablo Komlós — apresentada na Casa da Ospa —, que passa a ter programação e nomes próprios para cada espetáculo. Neste ano, a orquestra preza por se aproximar do público e tornar a música de concerto mais lúdica. Assim, ao longo de 2020, serão anunciados produtos oficiais, visitas guiadas e palestras antes das apresentações. O concerto de abertura da temporada acontece no dia 07 de março, sábado, às 17h, na Casa da Ospa. A regência é de Evandro Matté, maestro e diretor artístico da orquestra, e os solos são do pianista Alexandre Dossin, com participação especial do Coro Sinfônico da Ospa.

Convidados especiais

A presença de maestros e solistas das mais diversas partes do mundo está confirmada, assim como a de consagrados músicos da cena nacional e local. Entre os regentes, destacam-se nomes de prestígio internacional, como Rudolf Piehlmayer (Alemanha), que traz a Porto Alegre uma vasta experiência operística pelas principais orquestras do mundo; Emmanuele Baldini (Itália), diretor musical da Orquestra de Câmara de Valdivia, no Chile, que conduz e é solista em uma apresentação para violino; Kiyotaka Teraoka (Japão), um dos principais regentes japoneses da atualidade e detentor do 1º Prêmio no Concurso de Regência Mitropoulos; e o premiado Christian Baldini (Estados Unidos), que traz à Capital uma vasta experiência em composição e regência pelos maiores prêmios e festivais internacionais. Na programação, os brasileiros Emiliano Patarra, Anderson Alves, Silvio Viegas e Manfredo Schmiedt também regem a Ospa e seu Coro Sinfônico neste ano.

No time de solistas, está Midori Goto (Japão), considerada uma das maiores violinistas na atualidade, reconhecida pelo ativismo internacional, e convidada recorrente de fóruns mundiais, estando à frente, inclusive, do Papa Francisco e outros líderes mundiais; o pianista Alexandre Dossin (Estados Unidos), agraciado internacionalmente com as principais conquistas no instrumento, entre os quais o “Grand Prix Maria Callas”, na Grécia, e o “Mozart International Piano Competition”, em Salzburg; o renomado trompetista Valentin Garvie (Argentina), formado nos principais conservatórios do mundo; e o violinista Davide Alogna (Itália), apontado como um dos grandes talentos da cena musical de seu país. Músicos da Ospa, como a violoncelista Martina Stroher, o violinista Leonardo Bock, a oboísta Viktoria Tatour e o pianista André Carrara também executam solos em concertos com a sinfônica. Renomados nomes do canto lírico nacional já estão confirmados para a ópera deste ano. Com direção cênica de William Pereira, os cantores Giovanni Tristacci, Flávio Leite, Carlos Rodriguez e Elisa Lopes desempenham papéis de destaque na montagem.

250 anos de Beethoven

Os 70 anos da Ospa coincidem com o aniversário de 250 anos do grande expoente da música romântica mundial. Ludwig van Beethoven (1770-1827) ganha um espaço especial na programação da temporada. Para celebrar a data e revisitar a trajetória de um dos maiores nomes da música de concerto, a orquestra executa as nove sinfonias do compositor ao longo do ano. Para quem participar de todas as apresentações do ciclo das obras — que acontecem em diversos espaços da Capital —, a Ospa reserva um presente especial: um kit com produtos oficiais da sinfônica e ingressos para a próxima temporada.

Para reforçar a importância de Beethoven na música, a Ospa também produz um vídeo promocional. Com enredo cômico e humorístico, o compositor está perdido no tempo e disperso em Porto Alegre com dúvidas sobre a tecnologia e a cultura local. Na narrativa, o músico está em busca da Casa da Ospa, onde acontece a celebração de seu 250º aniversário. O curta se passa em diversos espaços culturais da Capital e busca reforçar a perpetuação histórica de Beethoven nas artes para além de sua geração.

100 anos sem Nepomuceno

2020 marca 100 anos do falecimento de um dos maiores compositores brasileiros. Reconhecido como precursor do nacionalismo no país ao empregar temas e ritmos característicos, Alberto Nepomuceno prezava pelo uso da língua portuguesa na música de concerto. Em sua memória, a Ospa apresenta algumas de suas principais valsas e sinfonias ao longo do ano, entre as quais ‘‘Batuque’’ e ‘‘Scherzo para orquestra’’.

70 anos de Celso Loureiro Chaves

A Ospa busca valorizar a música e as obras que emergem em Porto Alegre. Não seria diferente ao garantir uma programação especial ao músico que nasceu no mesmo ano e na mesma cidade que a orquestra. Compositor, professor do Instituto de Artes da UFRGS e doutor em composição musical pela University of Illinois, Celso Loureiro Chaves tem duas obras executadas durante a temporada. No dia 23 de maio, ‘‘Estética do Frio I’’ ganha espaço e uma gravação inédita em um concerto junto a outros grandes nomes da música de concerto nacional. No dia 12 de setembro também é celebrado o aniversário de 70 anos do músico, na Casa da Ospa, que conta com a interpretação da obra ‘‘Estética do Frio IV’’.

Repertórios

Depois de abrir a temporada com a impactante suíte de “Fantasia Coral”, de Ludwig van Beethoven, e com “Scheherezade”, de Kosakov, a Ospa insere grandes obras da música de concerto e do repertório popular na Temporada 2020. O Coro Sinfônico da Ospa, sob a batuta de Manfredo Schmiedt, terá participação central nessa agenda, ao realizar um concerto próprio, participações especiais na ópera e na Série Araújo Vianna. Além de um repertório extensivo para celebrar os 250 anos de Beethoven, obras de compositores brasileiros também ganham destaque nos repertórios. Peças de Heitor Villa-Lobos, Radamés Gnattali, Dinorá de Carvalho e Celso Loureiro Chaves marcam presença nos concertos da orquestra.

Já pela Série Igrejas, o programa contempla composições grandiosas, como “Concerto para violino e oboé BWV 1060’’, de Bach, ‘‘Romance Op. 41’’, de Dvorak, além das grandes sinfonias de Beethoven. O repertório operístico também ganha atuação cênica na temporada. Há quatro anos, a Ospa retomou a apresentação de óperas encenadas com as montagens de “Don Pasquale”, “Don Giovanni”, ‘‘A Viúva Alegre’’ e ‘‘Orfeu e Eurídice’’. Neste ano, a orquestra revisita uma das peças mais importantes da história: ‘‘A Flauta Mágica’’, de Wolfgang Amadeus Mozart, ganha destaque na programação e conta com um elenco especialista no repertório.

Série Araújo Vianna

A Série Araújo Vianna, feita em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura, traz neste ano três apresentações temáticas aos domingos regidas por Evandro Matté. A primeira delas, no dia 29 de março, às 18h, celebra os 40 anos de carreira dos gaúchos Kleiton & Kledir com roupagem sinfônica. O repertório reúne as grandes músicas da dupla pelotense, como ‘‘Deu Pra ti’’, ‘‘Maria Fumaça’’ e ‘‘Vira Virou’’ com participação especial do Coro Sinfônico da Ospa. O segundo espetáculo acontece no dia 5 de julho e resgata a trajetória do Grupo Tholl, um dos principais conjuntos circenses do Estado, ao aliar a música orquestral em um concerto inédito. A terceira apresentação está marcada para o dia 25 de outubro e revisita os grandes clássicos do jazz, com solos da cantora norte-americana Tia Carroll e do pianista Luciano Leães.

Turnê pela Argentina e Série Interior

Em 2020, a Ospa marca presença do interior do Rio Grande do Sul a um dos mais célebres palcos da América. No dia 13 de agosto, a orquestra aterrissa no emblemático Teatro Cólon, em Buenos Aires, para um concerto especial. Sob regência de Evandro Matté, os músicos executam “Scheherazade’’, de Korsakov. No Estado, a sinfônica busca reforçar o compromisso público de atingir o maior número de gaúchos gratuitamente. A Série Interior, realizada em parceria com o SESC, leva a Ospa para as cidades de Jaguarão, Rio Grande, Cachoeira do Sul, Nova Prata, Vacaria, Lagoa Vermelha, entre outras.

Solos de alunos em Concertos Oficiais

Três estudantes da Escola de Música da Ospa têm a oportunidade de integrar a programação oficial da sinfônica na Temporada Artística 2020. Rafael Honório Sobrinho (violoncelo), Mateus Colares de Souza (oboé) e Gustavo Ferraz Reis (violino) foram selecionados na classificação geral do Primeiro Concurso Interno, promovido pela Orquestra e sua Escola. Respectivamente, os alunos vão mostram as habilidades no instrumento de domínio em concertos da Ospa, da Banda Sinfônica e da Ospa Jovem. É a primeira vez que estudantes do Conservatório Pablo Komlós se apresentarem como solistas mediante avaliação. A prova selecionou os alunos de acordo com o melhor desempenho geral, no naipe de cordas e em sopros ou percussão.

Produtos Oficiais

A fim de estreitar os laços com o público, a Ospa volta a comercializar produtos oficiais, com identidade própria. A iniciativa se inspira na grife da sinfônica nos anos 1980, que colocou à venda roupas e acessórios exclusivos para fortalecer a arrecadação de recursos. Neste ano, a orquestra passa a disponibilizar imã, adesivo, caneca, ecobag, lápis, cadernetas e camisetas personalizados. Os itens vão acompanhar a Orquestra durante as apresentações da temporada através de uma loja itinerante.

Concerto Especial de 70 anos

Para comemorar 70 anos de atividades ininterruptas, repleto de música, histórias e desafios, a Ospa sobe ao palco do mesmo Theatro São Pedro onde estreou oficialmente em 23 de março de 1950. No aniversário de uma das principais orquestras em atividade do Brasil, os músicos voltam no tempo com os manuscritos originais para interpretar o mesmo repertório que deu início à sinfônica, então comandada pelo maestro Pablo Komlós. Sob regência de Evandro Matté, a orquestra revisita peças de Beethoven, Berlioz, Mendelssohn e Von Weber. A fim de imergir nas origens da Ospa, o público contará com um programa físico semelhante, esteticamente, ao da primeira apresentação. O concerto acontece na mesma data de início, 23 de março, segunda-feira, às 20h.

Concertos na Casa da Ospa

Em 2020, os principais concertos na Casa da Ospa passam por uma reformulação temática. Anteriormente integradas na Série Pablo Komlós, as apresentações passam a ter nome e programa próprios com base nas obras executadas ou nos regentes e solistas convidados. O aperfeiçoamento busca valorizar o repertório e os músicos. A mudança também acarreta em um design singular para cada evento. As outras séries, que fizeram parte da programação em 2019 (Interior, Araújo Vianna, Didáticos, Ospa Jovem, Banda Sinfônica, Música de Câmara, Coro Sinfônico e Igrejas), não têm alteração.

Palestras e visitas guiadas

A Ospa prepara dois projetos inéditos para 2020. Para se aproximar do público e tornar mais lúdica a abstração da música de concerto, é apresentado o ‘‘Por Trás do Programa’’, em que um especialista explica as obras executadas no repertório através de uma palestra. A iniciativa acontece na Sala Sinfônica da Casa da Ospa, nos dias de concerto da orquestra principal, sábado, às 15h30, uma hora e meia antes da apresentação.

A Ospa também busca estreitar os laços entre o público e os músicos, além de divulgar o seu primeiro espaço próprio, que completa três anos em 2020. Em quatro ocasiões da temporada, o ‘‘Por dentro da Ospa’’ leva sete pessoas para conhecer os bastidores da orquestra e da Casa da Ospa. O encontro acontece nas sextas-feiras, às 19h, durante o ensaio dos músicos. Na ocasião, os visitantes podem subir ao palco durante o ensaio e viver uma experiência única ao escutar a música de concerto por outra perspectiva.

A Ospa é uma das fundações vinculadas à Secretaria de Estado da Cultura do Governo do Rio Grande do Sul. Os concertos da Temporada 2020 são patrocinados, via Lei Federal de Incentivo à Cultura, por Banrisul, Alibem e Porto Alegre Airport. Apoiadores da Temporada Artística: Sulgás e Sheraton Porto Alegre Hotel. A realização é da Fundação Ospa e Fundação Cultural Pablo Komlós.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Dicas de O Sul

Secretaria Estadual da Cultura tem programação especial no Mês da Mulher
Os códigos genéticos do coronavírus encontrados nos dois brasileiros que vieram da Itália são diferentes. Um se parece com o vírus achado na Alemanha e o outro, com a versão que circula na Inglaterra
Deixe seu comentário
Pode te interessar