Sábado, 04 de dezembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Mundo Primeiro secretário de Estado negro dos Estados Unidos, Colin Powell morre aos 84 anos de covid

Compartilhe esta notícia:

General foi o primeiro negro a ocupar cargos importantes na política americana. (Foto: Office of White House Management)

Morreu nesta segunda-feira (18) aos 84 anos um personagem público que esteve à frente da diplomacia ou das Forças Armadas americanas nos episódios militares mais importantes do fim do século XX e do início do XXI.

Colin Powell era um veterano da guerra do Vietnã e chegou a general quatro estrelas. Ele participou do governo de três presidentes republicanos e de um democrata. Foi conselheiro de Segurança Nacional de Ronald Reagan e chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas de George Bush pai.

Powell continuou no cargo com o presidente democrata Bill Clinton nos primeiros oito meses de governo, mas pediu exoneração porque discordava de algumas políticas. Era secretário de Estado de George W. Bush nos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

Em 2003, protagonizou um dos momentos mais polêmicos do governo e que, segundo Powell mesmo, se tornou uma mancha na carreira dele.

Durante um discurso no Conselho de Segurança da ONU para justificar a invasão do Iraque, citou informações dos serviços de inteligência de que os iraquianos tinham armas de destruição em massa. Uma investigação descartou essa possibilidade. Powell chegou a admitir que tinha dado informações imprecisas e distorcidas.

Numa entrevista que foi ao ar em 2012, no canal de TV C-Span, ele disse: “Eu sempre vou me arrepender que a informação que eu apresentei estava errada. Eu nunca me livrarei disso. Vai estar no meu obituário”.

Precursor

Colin Powell foi o primeiro negro a ocupar esses cargos de alto escalão na segurança e na diplomacia dos Estados Unidos. Ele nasceu em Nova York e cresceu no bairro do Bronx. Filho de imigrantes jamaicanos, foi um legítimo representante do sonho de sucesso americano com um legado reconhecido por republicanos e democratas.

O presidente Joe Biden afirmou que Colin Powell quebrou repetidamente as barreiras raciais, abrindo caminho para outros, que teve orgulho de chamá-lo de amigo e que ele será lembrado na história como um dos grandes americanos.

O ex-presidente George W. Bush disse que Powell era um homem de família e um amigo, e lembrou que muitos presidentes confiaram nos conselhos e na experiência dele.

O atual secretário de Defesa, Lloyd Austin, também destacou as conquistas de Powell e afirmou que ouvia os seus conselhos.

Colin Powell morreu de complicações causadas pela Covid. Ele estava totalmente vacinado, mas tinha mieloma múltiplo, um tipo de câncer que afeta as células sanguíneas e que enfraquece o sistema imunológico. Segundo os cientistas, foi um caso raro.

Powell estava para receber a dose de reforço, mas ficou doente antes.

Os cientistas reforçam que a imunização completa reduz substancialmente os riscos de hospitalização ou morte de pacientes com comorbidades, como as de Colin Powell. E dizem: quanto mais gente se vacinar, maior a proteção para pacientes com imunidade comprometida.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Governo socialista da Espanha quer criminalizar a prostituição
Equador decreta estado de exceção por causa da violência ligada ao narcotráfico
Deixe seu comentário
Pode te interessar