Domingo, 26 de maio de 2024

Porto Alegre
Porto Alegre, BR
11°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Saúde Respeitar o relógio interno do organismo: um segredo para melhorar a saúde

Compartilhe esta notícia:

Nosso relógio circadiano é constantemente ressincronizado por reguladores externos.

Foto: Reprodução
Nosso relógio circadiano é constantemente ressincronizado por reguladores externos. (Foto: Reprodução)

A vida de todos os seres vivos são pontuadas por vários ritmos biológicos que são fundamentais para seu funcionamento adequado. Quais são esses ritmos? Literalmente, eles correspondem à “variação periódica ou cíclica de uma função específica de um ser vivo”.

Eles podem ser de três tipos, dependendo de sua duração:

– Ritmos ultradianos, com um período de menos de 24 horas. São, por exemplo, os ciclos de sono REM ou os ritmos respiratórios ou cardíacos.

– Ritmos infradianos, que têm um período de mais de 24 horas, como o ciclo menstrual.

– Ritmos circadianos. Verdadeiros relógios biológicos, eles funcionam em um período equivalente (ou próximo) a 24 horas (circadiano vem do latim circa, ao redor, e dies, dia). Entre os mais conhecidos estão os sistemas de regulação do sono/vigília e dos hormônios.

O último ritmo, baseado no dia, é particularmente importante. Ele é governado por um “relógio” interno, cujo operador está localizado no cérebro e, mais especificamente, no hipotálamo (localizado sob o encéfalo) de nossa espécie.

Ele consiste nos dois núcleos supraquiasmáticos (localizados sob o quiasma óptico), ricos em neurônios, cuja atividade elétrica oscila durante 24 horas, controlada pela ativação cíclica de genes específicos conhecidos como “genes do relógio” ou “genes circadianos”.

Nosso relógio circadiano é constantemente ressincronizado por reguladores externos, como temperatura ou ingestão de alimentos? Mas, acima de tudo, pela luz.

Nossa retina detecta sinais de luz, que são transmitidos ao cérebro e ao relógio interno, que sincroniza as funções metabólicas dos vários tecidos de acordo com as informações recebidas, ou seja, que horas do dia são.

É um regulador tão poderoso que as pessoas com cegueira total (que, portanto, não conseguem detectar a luz) têm distúrbios no ritmo circadiano, associados a grandes distúrbios do sono.

Hormônios

Na fisiologia humana, um dia é dividido em duas fases: atividade (das 8h-9h às 20h-9h, que corresponde ao nosso dia de trabalho, escola, etc.) e descanso (das 20h-9h às 8h-9h). Eles dependem da produção de melatonina, conhecida como o “hormônio do sono”.

A secreção de melatonina é sincronizada com o ciclo dia-noite: começa quando a luz diminui de intensidade, por volta das 21h às 22h no verão, e atinge o pico de secreção no meio da noite, entre 3h e 4 horas da manhã; depois, diminui até o nascer do sol.

Com o retorno da luz, a melatonina deixa de ser produzida e outro hormônio, o cortisol, assume o controle. Esse “hormônio do estresse” prepara o corpo para o aumento da demanda de energia necessária para funcionar adequadamente durante a fase de atividade.

Sua produção está diretamente ligada ao desaparecimento da melatonina, cuja presença inibe a secreção de cortisol. Isso sincroniza a produção de cortisol com a luz do dia.

tags: Você Viu?

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Apple planeja reformular toda a linha Mac com chips voltados para inteligência artificial
Nova inteligência artificial do Google consegue ouvir e criar vídeo a partir do texto
https://www.osul.com.br/respeitar-o-relogio-interno-do-organismo-um-segredo-para-melhorar-a-saude/ Respeitar o relógio interno do organismo: um segredo para melhorar a saúde 2024-04-17
Deixe seu comentário
Pode te interessar