Segunda-feira, 15 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Flávio Pereira União Brasil decide apoiar candidatura de Eduardo Leite no Estado

Compartilhe esta notícia:

Busato (D) fez o anúncio ao lado do ex-governador. (Foto: Reprodução)

O presidente do União Brasil no Estado, Luiz Carlos Busato, anunciou ontem à noite em uma live, ao lado do ex-governador Eduardo Leite, do chefe da Casa Civil Artur Lemos, e do atual governador Ranolfo Vieira Junior, que o partido decidiu apoiar a coligação do candidato tucano ao Piratini mesmo sem ficar com a vaga de vice.

O anuncio foi feito depois de uma tarde de reuniões com dirigentes do PL, em tratativas para o União Brasil apoiar a candidatura de Onyx Lorenzoni ao governo do Estado.

Eduardo Leite anunciou ter conversado com o presidente nacional do União Brasil, Luciano Bivar, comprometendo-se a ceder o palanque da coligação, além da candidata do MDB, Simone Tebet, também para a candidata do UB, senadora Soraya Thronicke.

Agora é lei: Bolsonaro sanciona piso entre R$ 2.375 a R$ 4.750 para enfermagem

O presidente Jair Bolsonaro disse, ontem à noite, que tinha 15 dias para se manifestar sobre a sanção ao projeto do piso da enfermagem. Porém, sancionou imediatamente e determinou a publicação no Diário Oficial. A proposta atende técnicos de enfermagem, auxiliares e parteiras; valores variam de R$ 2.375 a R$ 4.750.

Segundo a norma, serão contemplados enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliares de enfermagem e parteiras. O ato determina que enfermeiros passam a receber um salário mínimo inicial de R$ 4.750, a ser pago em todo o País por serviços de saúde públicos e privados. A remuneração mínima de técnicos de enfermagem será de 70% do piso nacional dos enfermeiros (R$ 3.325), enquanto o salário inicial de auxiliares de enfermagem e parteiras corresponderá a 50% do piso dos enfermeiros (R$ 2.375).

Bolsa-crack do PT financiou a cracolândia em São Paulo

Fernando Haddad quer ser governador de São Paulo. Há um temor em relação a algumas de suas propostas: quando comandou a prefeitura de São Paulo, ele criou o programa São Paulo de Braços abertos, na verdade um instrumento para financiar o vício dos membros da cracolândia. Em média, cada morador da cracolândia admite consumir 17 pedras por semana.

Com base nesse número, a estimativa é que o programa financiou, com dinheiro do contribuinte paulista, a dependência química dos dependentes, e a compra e o consumo de mais de 400 quilos de crack por ano.

Câmara começa a buscar detalhes do acordo entre PT e PCC

Requerimento do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) foi aprovado pela Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados aprovou, para que o empresário Marcos Valério detalhe a delação premiada sobre as relações entre o Partido dos Trabalhadores (PT) e a facção Primeiro Comando da Capital (PCC).

A comissão deverá marcar a data do depoimento de Marcos Valério. Eduardo Bolsonaro (PL-SP), que avalia como “gravíssimas” as denúncias sobre o envolvimento do crime organizado na política brasileira, com “impactos diretos na soberania nacional e na integridade territorial do País”.

A gauchada que apóia a “saidinha” dos presos

Um destaque da semana na Câmara dos Deputados foi a aprovação, na quarta-feira, da proposta que extingue saídas temporárias de presos dos estabelecimentos prisionais, a famosa “saidinha”. O texto foi aprovado em Plenário por 311 votos favoráveis e 98 contrários, mas o projeto volta para o Senado, para votar as alterações introduzidas pelos deputados no texto original.

Na bancada gaúcha, votaram contra o projeto os deputados Bohn Gass (PT), Henrique Fontana (PT), Maria do Rosário (PT), Paulo Pimenta (PT), Heitor Schuch (PSB) e Afonso Mota (PDT).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Flávio Pereira

Lasier quer permanecer em Brasília para acompanhar projetos importantes
Acredite: STF dá cinco dias para Jair Bolsonaro dar explicações sobre o Desfile de 7 de Setembro
Deixe seu comentário
Pode te interessar