Domingo, 25 de julho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
27°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Geral Companhia aérea é condenada por atraso e cancelamento de voo

Compartilhe esta notícia:

Por decisão da Primeira Câmara Cível do TJ-PB, a empresa Azul Linhas Aéreas deverá pagar uma indenização, por danos morais, no valor de R$ 5 mil. (Foto: Reprodução)

Por decisão da Primeira Câmara Cível do TJ-PB (Tribunal de Justiça da Paraíba), a empresa Azul Linhas Aéreas Brasileiras S/A deverá pagar uma indenização, por danos morais, no valor de R$ 5 mil, devido a má prestação no serviço, decorrente de cancelamento e atraso de voo. O caso é oriundo da 8ª Vara Cível da Capital. A empresa aérea ingressou com recurso visando afastar a condenação, alegando que o cancelamento do voo ocorreu devido ao mau tempo, medida que teria sido tomada visando a segurança dos próprios passageiros e tripulação, qualificando como um fato de força maior.

O autor da ação, que é comerciante varejista de artigos de vestuário, foi convidado para participar do evento “Expo Aladi 2019”, o qual ocorreria na cidade de Bucamaranga, na Colômbia. O evento providenciou as passagens aéreas, partindo da cidade de Campina Grande às 00h40min do dia 16/10/2019 pela companhia Azul, com destino a cidade de São Paulo, de onde embarcaria no voo 086 com destino a cidade de Bogotá. Todavia, em razão do cancelamento do seu voo, que partia de Campina Grande para São Paulo, o autor embarcou em outro voo no mesmo dia, porém em horário mais tarde, ocasionando a perda do voo que partia de São Paulo com destino a Bogotá e, devido a esse fato, deixou de participar do evento.

Falha na prestação de serviços

Para o relator do processo, desembargador Leandro dos Santos, restou caracterizado o ato ilícito, fundado na falha na prestação de serviços de transporte aéreo, decorrente de cancelamento de voo, falta de assistência e informações ao consumidor. “É incontroverso o fato de que o cumprimento do contrato de transporte aéreo não ocorreu no tempo e modo pactuados, emergindo daí a induvidosa responsabilidade da prestadora de serviço, ora Apelante”, afirmou.

Parâmetros legais

O relator entendeu, ainda, que o valor da indenização arbitrado na sentença está dentro dos parâmetros legais. “O valor deve ser adequado e suficiente para reparar o abalo e sancionar a fornecedora, servindo como um instrumento pedagógico, a fim de que corrija suas falhas, respeitando o primado da relação de consumo, deve ser baseada na confiança do serviço prestado com eficiência e segurança”, pontuou. As informações são do TJ-PB.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

Pedido de saque do FGTS com base na pandemia deve ser julgado pela Justiça Federal
Disney de Paris reabre após oito meses fechada por conta da pandemia
Deixe seu comentário
Pode te interessar