Domingo, 28 de Fevereiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
27°
Light Rain / Wind

Agro Programa de vigilância agropecuária do Estado gaúcho percorreu 1,7 mil quilômetros e montou barreiras na divisa com Santa Catarina

Compartilhe esta notícia:

Fiscalização vai atuar em 97 municípios. (Foto: Fernando Dias/Seapdr)

A ação piloto do Programa de Vigilância Agropecuária Interestadual – Guaritas percorreu 1.707 quilômetros e montou oito barreiras na divisa com Santa Catarina, de Torres a Machadinho. O balanço desta primeira ação do programa da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) registrou 128 veículos vistoriados e dois autos de infração emitidos.

De 50 bovinos e 11 equinos fiscalizados, todos os bovinos e cinco equinos estavam irregulares. “Os fiscais conversaram com 83 pessoas, passando informações sobre educação sanitária por contato interpessoal”, informa o chefe da Divisão de Controle e Informações Sanitárias da secretaria, Francisco Lopes.

O programa Guaritas utiliza barreiras volantes em pontos de ingresso no Rio Grande do Sul, além dos seis postos fixos de divisa com Santa Catarina, para barrar a entrada irregular de animais. O objetivo é suplementar atividades de fiscalização na divisa dos dois Estados. “O posto fixo é um ponto conhecido de fiscalização. É necessário complementar a vigilância, cobrindo os pontos de entrada que ficam desguarnecidos e propensos à entrada irregular de cargas”, explica Lopes.

O Guaritas conta com equipes de fiscalização que irão realizar atividades volantes de vigilância em qualquer ponto de entrada no Estado, tanto nos postos fixos como nos quase 50 pontos de passagem por rodovias ou balsas existentes na divisa entre os dois estados. “Será uma atividade periódica, contando com o fator surpresa na tentativa de coibir o trânsito irregular de cargas interestaduais”, complementa.

Inspirado no programa Sentinela, o Guaritas vai atuar em 97 municípios, divididos em dois blocos. Contará com a vigilância em sanidade animal, que é o foco do Sentinela, e também com vigilância na área vegetal. Serão investidos R$ 82,9 mil, via Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal do Rio Grande do Sul (Fundesa).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Agro

Produção brasileira de petróleo e gás natural cresce em janeiro
Em Porto Alegre, obras de macrodrenagem do Arroio Areia são exemplo para Foz do Iguaçu
Deixe seu comentário
Pode te interessar