Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

Acontece Casal gaúcho une literatura, música e tecnologia em projeto inédito

O projeto “Maurício e os Imaginários” marca presença na 63ª Feira do Livro de Porto Alegre na próxima quarta-feira (15/11), às 16h30, durante “Encontro com os autores”, no Espaço do Conhecimento, e às 17h30, em Sessão de Autógrafos, na Praça dos Autógrafos.

Idealizado por Maurício Rech e Carolina Leães Rech, o projeto transmídia foi desenvolvido com o objetivo de estimular a Educação e o Entretenimento Infantil, através da integração entre música, literatura e animação 3D com conteúdos que ilustram os conflitos e o dia a dia das crianças, de forma lúdica e criativa. Maurício é autor, compositor e intérprete de todas as músicas, em estilos diversos, como Rock, Reggae, Valsa, Xote e Pop. Ao lado da esposa, Carolina, é autor dos livros que trazem histórias do cotidiano infantil, ilustradas pelos personagens principais, que levam o nome dos autores, Maurício e Carol, dos filhos, Johnny, Duda e Beto, além de Branca, dragoazinha que trata do tema racismo, e Oh, um olho que vê sempre o lado positivo das situações.

Desenvolvido com linguagem própria para crianças da Educação Infantil ao 3º ano do Ensino Fundamental, otrabalho multifuncional é elaborado com o objetivo de promover a estimulação neurossensorial das crianças, através da pluralidade de linguagens: pictórica (desenhos), musical (vocalização, oralidade, ritmo), sinestésica (movimentos e psicomotricidade com o uso de bonecos e instrumentos musicais) e midiática (computador com vídeos em animação e projeção dos livros). O projeto segue uma sequência didática que trabalha desde a recepção/emoção, incluindo a sensibilidade, a interação social e a simbolização.

“Com o movimento e a dança, através de um repertório rico e diversificado, a criança brinca com seu corpo e interioriza os ritmos de forma natural, desenvolvendo não só a musicalidade e o vínculo afetivo com quem está dançando com ela, mas também seu raciocínio espacial-temporal”, ressalta Maurício.

Durante as apresentações do projeto, as crianças têm a oportunidade de acompanhar as canções com instrumentos musicais de percussão, vivenciando a pulsação e o senso rítmico, a intensidade (tocar forte ou fraco) e a percepção do estímulo sonoro, o que propicia um maior desenvolvimento psicomotor.

Outro destaque é a preocupação e o cuidado com o conteúdo das histórias, que têm caráter humanístico. “Nossas histórias não têm vilão, mas crianças que cometem erros e acertos, levando a uma reflexão quase que automática para quem acompanha a leitura e as músicas”, afirmou Carolina, que é Médica Chefe do Serviço de Endocrinologista da Santa Casa. “É muito gratificante ver as crianças se envolvendo e se identificando com as situações que apresentamos durante nossos pocket shows nas escolas. A atenção que obtemos ao misturar a contação da história de um livro com música e elementos tecnológicos atinge não apenas os pequenos, mas os professores e os educadores, também”, conclui Maurício.

Voltar Todas de Acontece

Compartilhe esta notícia:

Saúde emite alerta para acidentes com escorpião amarelo
Prefeitura deposita quarta parcela da folha nesta sexta-feira
Deixe seu comentário
Pode te interessar