Quarta-feira, 22 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

Capa – Coluna Direita Diante de notícias de que o governo gaúcho estaria fechando escolas, a Secretaria da Educação garante que nenhum aluno ficou ou ficará sem ter onde estudar na rede pública estadual

Governo menciona reorganização da rede devido à redução demográfica. (Foto: Gustavo Gargioni/Especial Palácio Piratini)

Diante de recentes notícias de que o governo gaúcho estaria fechando escolas, a Secretaria Estadual da Educação veio a público para argumentar que, na verdade, o que está ocorrendo é uma reorganização de sua rede pública de ensino. O motivo é a redução demográfica verificada nas instituições de ensino do Rio Grande do Sul.

Em 2007, o número total de alunos matriculados na rede estadual chegava a 1,32 milhão de alunos. Transcorrida uma década, no ano passado o total de matrículas foi de 930,6 mil estudantes, ou seja: houve uma queda de quase 30%, índice considerável.

Agora, são aproximadamente 900 mil matrículas, de acordo com os dados do mais recente censo escolar, realizado pelos técnicos do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). A autarquia é vinculada ao Ministério da Educação.

Baixa demanda

A rede pública estadual de ensino conta, atualmente, com 2.539 escolas. “Em função da baixa demanda de alunos, foi preciso reorganizar o sistema de maneira lógica”, explicou o site oficial do governo do Estado. “Desta forma, seis estabelecimentos foram desativados em Porto Alegre, com a transferência dos estudantes para outros colégios próximos.”

Ainda segundo o Executivo gaúcho, a realidade também exige gestão e uma melhor organização da área pedagógica: “Trata-se de uma política de remanejamento, inclusive para evitar o desperdício de dinheiro público. E o mais importante é que nenhum aluno ficou ou ficará sem ter onde estudar”.

Base curricular

A partir desta segunda-feira, a Secretaria de Educação coloca à disposição o endereço eletrônico www.curriculo.educacao.rs.gov.br. O objetivo é abrir um canal para que qualquer cidadão possa deixar sugestões para a formatação dos currículos de Educação Infantil e Ensino Fundamental que serão aplicados, a partir 2019, nas escolas estaduais e municipais, seja no setor público ou no privado.

A primeira etapa do novo currículo, denominado “Referencial Curricular Gaúcho”, foi elaborada entre os meses de março e julho deste ano, quando mais de 100 mil educadores contribuíram com sugestões na plataforma digital que agora passa a receber as contribuições também da sociedade. As sugestões serão recebidas até o dia 31 deste mês.

Posteriormente, no dia 26 de setembro, a versão final da diretriz curricular será enviada para aprovação do Conselho Estadual de Educação. O Referencial Curricular Gaúcho, funcionará de forma complementar à nova BNCC (Base Nacional Comum Curricular), tanto para a Educação Infantil quanto para o Ensino Fundamental.

Voltar Todas de Capa – Coluna Direita

Compartilhe esta notícia:

Saiba o que muda na Alemanha com a lei que cria o “terceiro gênero”, para proteger pessoas intersexuais
Um empresário disse à Polícia Federal que pagou 1 milhão de reais ao coronel Lima, amigo de Michel Temer, como propina em um contrato no aeroporto de Brasília
Deixe seu comentário
Pode te interessar