Quarta-feira, 20 de Janeiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
23°
Cloudy

Política Câmara aprova reconhecimento de calamidade pública no País

Compartilhe esta notícia:

Rodrigo Maia, presidente da Casa.

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Rodrigo Maia, presidente da Casa. (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (18) o PDL (Projeto de Decreto Legislativo) 88/2020, que reconhece o estado de calamidade pública no Brasil. A proposta, que segue para votação no Senado, permite que o Executivo gaste mais do que o previsto e desobedeça às metas fiscais para custear ações de combate à pandemia.

A mensagem presidencial sobre o estado de calamidade pública (93/2020) foi encaminhada ao Congresso na manhã desta quarta-feira. A LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) prevê que, decretado o estado de calamidade, ficam suspensos os prazos para ajuste das despesas de pessoal e dos limites do endividamento para cumprimento das metas fiscais e para adoção dos limites de empenho (contingenciamento) das despesas.

O texto aprovado cria uma comissão mista, composta por seis deputados e seis senadores, com igual número de suplentes, para acompanhar os gastos e as medidas tomadas pelo governo federal no enfrentamento do problema. A comissão poderá trabalhar por meio virtual, mas terá reuniões mensais com técnicos do Ministério da Economia e uma audiência bimestral com o ministro da pasta, Paulo Guedes, para avaliar a situação fiscal e a execução orçamentária e financeira das medidas emergenciais relacionadas à Covid-19.

Crédito ilimitado

O relator do texto, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), afirmou que não se trata de um “cheque em branco”. Ele disse ainda que a comissão mista vai garantir a transparência nos gastos.

“Ao reconhecer a calamidade pública, o Congresso permite o descumprimento das metas fiscais, e o governo vai ter condições de fortalecer o Sistema Único de Saúde, que é o principal instrumento de combate ao coronavírus”, afirmou. “Também vai garantir medidas econômicas, como renda para a população, e ações para impedir a expansão do vírus.”

Calamidade

Nos termos atuais, o estado de calamidade pública é inédito em âmbito federal. Segundo o governo, o reconhecimento desse estado, previsto para durar até 31 de dezembro, é necessário “em virtude do monitoramento permanente da pandemia da Covid-19, da necessidade de elevação dos gastos públicos para proteger a saúde e os empregos dos brasileiros e da perspectiva de queda de arrecadação”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Hospital de Clínicas de Porto Alegre montará 49 leitos novos para atender coronavírus
Com registro de mais três mortes por coronavírus em São Paulo, País já tem quatro óbitos
Deixe seu comentário
Pode te interessar