Terça-feira, 22 de Junho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Mostly Cloudy

Política CPI vai cobrar de Ernesto Araújo, ex-ministro das Relações Exteriores, explicações sobre a relação com a China durante a pandemia

Compartilhe esta notícia:

Ernesto Araújo em audiência no Senado, em setembro do ano passado. (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

O ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo prestará depoimento à CPI da Covid nesta terça-feira (18), às 9h. Os requerimentos de convocação foram apresentados pelos senadores Marcos do Val (Podemos-ES) e Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que querem explicações sobre a condução da diplomacia brasileira durante a crise sanitária provocada pela covid-19.

A relação do Brasil com a China deve ser um dos pontos mais questionados pelos parlamentares da CPI da Pandemia. Segundo o senador Marcos do Val, a política externa sob a gestão do ex-chanceler pode ter atrasado a compra de vacinas.

“É fato público e notório que o senhor Ernesto Henrique Fraga Araújo, durante o período em que foi ministro de Relações Exteriores, executou na política externa o negacionismo de Bolsonaro na pandemia, o que teria feito o Brasil perder um tempo precioso nas negociações por vacinas e insumos para o combate à covid-19”, aponta o senador. O senador Alessandro Vieira também quer saber se os ataques à China feitos pelo ex-chanceler resultaram nessa falta de imunizantes.

Marcos do Val argumenta que um dos objetivos da comissão parlamentar de inquérito é apurar ações e possíveis omissões do governo federal no enfrentamento da pandemia, especialmente no agravamento dos casos no Amazonas, com a falta de oxigênio para os pacientes internados.

Já Alessandro Vieira pretende obter informações sobre os exatos termos de atuação do ministério para trazer vacinas e insumos para o Brasil.

Eduardo Pazuello

Já o depoimento do ex-ministro Eduardo Pazuello (Saúde) está agendado para esta quarta-feira (19), às 9h. Dos quatro ministros que comandaram o Ministério da Saúde durante a pandemia, Pazuello foi o que ficou mais tempo no cargo. O general do Exército e especialista em logística assumiu interinamente o ministério em 16 de maio de 2020, após a saída de Nelson Teich. Ele foi efetivado no cargo em 16 de setembro e exonerado no dia 23 de março de 2021. Estava no comando da pasta quando a Pfizer fez uma oferta de 70 milhões de doses de imunizantes ao Brasil, segundo o presidente regional da empresa na América latina, Carlos Murillo. Em 11 de fevereiro deste ano, durante sessão no Plenário do Senado, Pazuello afirmou que eram somente 6 milhões ofertadas pela Pfizer.

Em depoimento à CPI na quinta-feira (13), o representante da Pfizer detalhou três ofertas feitas em agosto de 2020 ao governo brasileiro. Todas, segundo ele, ficaram sem resposta. Somente em 19 de março de 2021 foi assinado contrato com a empresa. As informações são da Agência Senado.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

“Sou imorrível, imbrochável e também sou incomível”, diz Bolsonaro
Sérgio Moro e Manuela D’Ávila prestam depoimento sobre ação de hackers na invasão e roubo de mensagens de celulares de autoridades
Deixe seu comentário
Pode te interessar