Sábado, 29 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
23°
Fair

Colunistas Planalto admite repassar dinheiro imediato ao RS

Eliseu Padilha (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

O governo federal admite repassar dinheiro vivo ao governo gaúcho de forma rápida, como forma de aplacar a crise financeira que tem obrigado o Executivo a parcelar salários dos servidores, e atrasar repasses para a Saúde e fornecedores.

Porém, o ministro Eliseu Padilha, Chefe da Casa Civil disse ontem em Brasília, que, para receber dinheiro imediato, “o Rio Grande do Sul vai precisar abrir mão de alguma coisa”, o que significa oferecer garantias concretas. Estas garantias, embora o governo federal não mencione, podem ser as participações do Estado em empresas como a CEEE, a Sulgás, ou até mesmo o Banrisul.

Acordo com o RS pode ser mais rápido

Ontem, o ministro da Casa Civil esteve com o governador José Ivo Sartori e o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, no gabinete do ministro Henrique Meirelles, para encaminhar a repactuação da dívida gaúcha. Ao final do encontro, o ministro Meirelles explicou: “Fizemos avaliação preliminar da situação fiscal, o Estado já tomou série de medidas relevantes e abrangentes, portanto a expectativa é que o processo de elaboração e formatação do plano seja relativamente rápido”.

Segundo o ministro Meirelles, é possível que as tratativas se deem inclusive de forma mais rápida do que com o Rio de Janeiro, para o qual há previsão de assinatura de um termo de compromisso na próxima quinta-feira.

Banrisul fora

Embora as especulações, ontem em Brasília o governador José Ivo Sartori foi enfático ao afirmar que o Banrisul não será incluído em qualquer pacote de garantias de renegociação da dívida,

O Rio de Janeiro não se ajuda

A negociação com o Rio de Janeiro, embora tenha começado antes, pode demorar ainda mais. O problema do Rio é que, além da queda vertiginosa de receita, existem evidências de um descalabro administrativo nos últimos governos, com fortes indícios de corrupção.

Ontem, um relatório do Ministério Público do Rio de Janeiro indicou um prejuízo superior a R$ 12 milhões na compra de tornozeleiras eletrônicas, resultado de fraudes na licitação e desvios em contratos de serviços de monitoramento de presos.

Um nome da Opus Dei?

A especulação levantada pelo jornalista Leudo Costa, indicando que o novo ministro do STF a ser indicado na vaga de Teori Zavascki seria “um nome da Opus Dei” (uma instituição hierárquica da Igreja Católica), remete para um nome indiscutível: o ministro do Tribunal Superior do Trabalho Ives Gandra Martins Filho.

Lasier no PSD

Os presidentes nacional e estadual do PSD, respectivamente o ministro Gilberto Kassab e o vice-governador José Paulo Cairoli abonam hoje em Porto Alegre, a filiação do senador Lasier Martins, no partido. Lasier recebeu a garantia de que será membro titular da Comissão de Constituição e Justiça, e vice-lider do PSD no Senado.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas

Delações confirmadas em duas semanas
No rastro do recorde de ACM
Deixe seu comentário
Pode te interessar